Travel of Magnum

    Compartilhe
    avatar
    Icarus Morrisane
    Seeker
    Seeker

    Mensagens : 332
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 04/07/2010
    Idade : 21
    Localização : Kunlun

    Travel of Magnum

    Mensagem  Icarus Morrisane em Ter Jul 20, 2010 4:31 pm

    [Segunda fic, completa, leia Bibliography of Magnum antes de ler Travel of Magnum]

    Prólogo

    Como visto na aventura anterior, Morty Magnum se dedicou a salvar um amigo que muito lhe ajudou quando mais precisava, esse amigo se chama Metchano e havia desaparecido.Morty Magnum se juntou à mais dois amigos, Thunder Joe e Drew Sieg.Acontece que Morty Magnum também havia perdido seu Poporing, que foi roubado pela Ordem Beta, que tinha como dono, Clark.Após muito procurarem, Morty e seus amigos encontram Metchano petrificado na caverna de Comodo.So lhes restavam salvar o Poporing, e assim o fizeram.O pior é que descobriram que Drew Sieg não passava apenas de um servo de Clark, que tentou destruir Morty, mas não conseguiu e acabou fugindo.

    Com a morte de Clark, e o resgate do Poporing, nossos heróis voltam a vida normal.Será?! Obviamente não!! Morty Magnum compra um navio e pretende viajar por onde conseguir. Será que essa aventura vai dar certo? Que Mistérios encontrarão nossos heróis? Toma início a "Viagem de Magnum"!!

    Vamos lá!!
    __________________________________________________________________________________

    Capítulo 1 – Um Novo Ínicio!!

    Morty Magnum levava seus amigos para Alberta, como estavam sem Zeny's, tiveram que caminhar até lá.Apesar de tudo o que Drew fizera a Morty, ele ainda sentia saudades:

    – Drew você voltou!! – Morty falou do meio do nada

    – Morty... Isso é uma árvore. – Corrigiu Metchano

    – Ah é mesmo... Drew você voltou!! – Morty olhou para o outro lado

    – Morty Magnum!! Já chega!! Você vê o Drew em todos os cantos, isso é seu Poporing, não o Drew!!

    – Ah é mesmo... Drew!!

    – Grr...

    E assim continuaram até chegarem em alberta:

    – Dre...

    – Não ouse abrir a boca!!

    – Foi mal...

    – E então, cadê o navio?

    – Ah sim! O navio, venham, está lá no porto.

    Morty Magnum, Thunder Joe e Metchano se dirigiram ao porto, e lá estava o tal "navio".Não era grandes coisa, havia uma cabine na parte superior, e mais para dentro do barco deveriam ter os dormitórios, a cozinha, os banheiros e etc. Podia não ser uma grande embarcação mas sem dúvida era muito confortável e bem resistente à tempestades.Havia um homem de pé na frente do barco:

    – DREW SIEG!!! – Morty correu e abraçou o homem

    – Hã.. sinto muito senhor – Ia dizendo Metchano arrastando Morty – Ele ainda não se recuperou da ultima viagem...

    – Esse cara é o dono desse barco aqui? – Perguntou o homem – Por que se for, acho que ele não pode guiá-lo, esse cara é louco!!

    – Não se preocupe senhor, ele já se recupera. Morty, por que não damos uma entrada no barco, venha também Thunder Joe... – Metchano trocando de assunto

    O interior do barco era sem dúvida muito confortável, um prazer guiá-lo! Dessa vez Morty parecia menos confuso:

    – Vamos dar um nome para o barco... – Disse Morty

    – Tudo bem mas... nada de Drew Sieg por favor. – Disse Metchano

    – ...Que tal... Lude? – Perguntou Thunder Joe

    – Hmm... não...

    – Poltergeist?

    – Também não.

    – Dullahan??

    – Chega de Nifflheim.Que tal Poring?

    – Acho que já existe um barco com esse nome, Morty – Disse Metchano – Por que não Khalitzburg?

    – Já sei!! Stroller!! – Sugeriu Morty Magnum

    – Hmm.... Boa ideia. – Disse Metchano

    – Poder ser – Concordou Thunder Joe

    O nome estava pronto, Morty pintava "Stroller" nos lados do barco.Era um dia ensolarado, muito bonito, a água tinha uma transparência azulada incrível.Certamente um ótimo dia para navegar, os mercadores vendiam suas mercadorias na frente do cais de Moscóvia, como sempre o cais de Amatsu e Kunlun vazios, como se ele fosse amaldiçoado.Como de costume, o cais de Brasilis lotado de gente festeira, Stroller agora parecia pronto para zarpar com a pintura nova, mas apenas parecia:

    – Morty venha cá! – Gritou Metchano

    Metchano levou Morty para a parte mais inferior do barco, o casco estava cheio de buracos!! Mas não era só isso, logo após, quando Morty foi jogar a âncora, a corrente se rompeu devido ao ferrugem.Quando foram colocar a lenha (o barco era movido à vapor) o compartimento se queimou junto quase provocando um incêndio.Havia até a sensação de que a corda que predia o barco ao cais podia se romper:

    – Morty!! O barco não pode sai do cais desse jeito!!

    – Bem... então vamos concertá-lo.

    Morty pegou umas ferramentas e destribuiu entre seus dois "marinheiros":

    – Comecem!

    Todos trabalhavam incansavelmente, procurando consertar o barco.No fim, o barco estava novo em folha, parecia que nunca tinha sido usado:

    – Ufa! Terminamos!! E então? Prontos para zarpar?

    – ...Pode ser... – Concordou Thunder Joe

    Antes que pudessem entrar no Stroller, ouviram gritos, vindos de poucos metros de distância e uma sombra enorme e flamejante.

    – Mas o que é isso? – Perguntou Morty Magnum – Um sentido sobrenatural faz falta nessas horas!

    – Droga! É um Kasa!! Kasas moram no vulcão de Thor, são como fênix, quebraram um galho seco!! – Revelou Metchano

    – Galho seco ou não... vamos matá...

    – De jeito nenhum!! Kasas são fortes demais!!

    No meio do alvoroço, vários mercadores correndo, pessoas tropeçando... uma pedra circular escura cai no chão e Thunder Joe olha pra ela:

    – Não pode ser...!

    Com sua agilidade, Thunder Joe pega rapidamente a pedra no chão e a guarda, olhando para os lados.Morty chamava sua tripulação:

    – Thunder Joe!! Metchano!! Venham para o barco! Vamos zarpar!!

    Thunder Joe e Metchano correram para o barco, que levantou as âncoras e desamarrou as cordas:

    – Adeus Alberta!!! – Morty gritou

    De longe Alberta parecia um show de luzes, logo apareceram salamandras e guardiões:

    – Não, não pode ser! – Gritou Morty – Metchano, Thunder Joe, olhem! Com quem se parece aquilo?

    – Cara é um Ifrit! Soltaram um galho sangrento!!

    Agora sim, Alberta parecia uma festa de ano novo, era possivel ver de longe uma frota inteira de paladinos chegando, com sumo sacerdotes juntos.Todos assistiam a cena no barco, que já estava bem seguro à essa distância.Logo a cena se apagou e Morty tomou o controle do Stroller.Uma nova aventura está firmada!!

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo 2 - Sombra de Aventuras!!

    Nossos heróis se encontravam em alto mar, à procura de aventuras. Thunder Joe estava sentado na borda do barco, no lado de fora, apreciando a linda pedra que tinha um brilho misterioso. Morty Magnum levava o barco, e Metchano, bem, Metchano estava dormindo em seu quarto. Que espírito aventureiro não? O dia era monótono, a água passava levemente, adiquiria um brilho forte com a luz intensa do sol. Thunder Joe põe a pedra contra a luz:

    – Hmmm....

    – Thunder Joe!! – Morty o chamava

    – Ocupado.

    – THUNDER JOEEE!!!!

    – Que estás pensando? Ocupado estou, disse-lhe.

    – É urgente!! Rápido!

    Thunder Joe se levantou, o brilho por dentro do capuz parecia mais vermelho e focalizavam mais ainda os olhos, ele não gostava de ser interrompido. Chegou ao lado de Morty Magnum.

    – Fale

    – Ta bom, o que é isso na sua mão?

    Thunder Joe se enfureceu:

    – Descobrir tento, mas tu atrapalhaste MIL VEZES!! PARA PERGUNTAR-ME ISSO???!!!

    – Calma... foi mal... não sabia que era isso que você queria... – Dizia Morty enquanto guiava o barco – Hein, sabe com que isso se parece?

    – Hmm?

    – Se parece com uma runa, sabe, aquela lá.

    – Runa da Escuridão?

    – Isso!

    – Plausível, ademais, não é muito igual.

    – Talvez seja uma runa da escuridão diferente, talvez ela tenha um poder maior! Afinal ela parece ter um brilho sombrio, parece que em volta dela tudo é mais escuro.

    – Continuarei observando.

    – Faça isso.

    Thunder Joe continuou olhando, Morty guiando e Metchano dormindo. Morty Magnum pretendia chegar até uma borda de um dos arredores de Payon, para ir até a cidade e reabastecer. Metchano acordou e também ficou sentado na borda do barco, porém observando os arrebaldes do barco. Uma sombra foi avistada:

    – Morty!! Estou vendo alguma coisa para o leste do barco!

    – Hein? O que está vendo?

    – Hmm... – Metchano pegou uma luneta – Um navio naufragado em uma ilha!

    – Estou me dirigindo pra lá. – Morty tinha esperanças

    – De jeito nenhum Morty! Vamos continuar a viagem. Se pararmos os suprimentos acabam.

    – Se encontrarmos um tesouro, para quê suprimentos? Hehe, vamos lá!!

    Thunder Joe permaneceu quieto apesar da situação. Metchano não concordava com Morty e o mesmo se dirigia para o ilha. Chegando lá, Morty jogou a âncora, Thunder guardou a pedra, e todos saltaram do barco:

    – Muito bem marinheiros! Vamos até o navio naufragado!! – Disse Morty Magnum

    – Espere Morty!! – Metchano apontava para uma placa – Olhe, está escrito:

    "Caros Aventureiros,
    Sei como possuem um espírito de aventuras e busca pelas riquezas, porém o navio logo na frente é o navio do temível Capitão Drake. Muitos aventureiros que tentaram buscar seu tesouro acabaram em não serem mais vistos, e todos que voltaram nunca mais foram os mesmos. Não se trata de um navio comum naufragado, mas de um navio assombrado por tudo que tem em seus pesadelos. Não ousem entrar lá.
    Em memória de todos os aventureiros que morreram lá,
    Prefeitura de Alberta."

    – Não devemos entrar lá diz a placa...

    Morty nem o deu ouvidos, já estava bem na frente e tinha ignorado a placa após ler "Capitão Drake". Morty Magnum não tinha lido a parte das assombrações, coitado. Nossos heróis estavam bem à frente da entrada do navio, esperavam alguém entrar primeiro.

    – O-os mais velhos primeiro... Thunder Joe... vai na frente... – Disse Morty

    – Não aguento muitos danos, Metchano vais primeiro?

    – Hein, eu...

    – Já sei! – Disse Morty Magnum – Vamos todos de uma vez

    Morty Magnum segurou as mãos dos amigos e os arrastou para dentro. O navio era sem dúvida muito velho, talvez parecesse ter mais que a idade de Thunder Joe. A embarcação cheirava à maresia, parecia haver ninguém lá dentro, o navio era composto de várias salas e um corredor enorme que ligava elas. Um sussurro apareceu:

    – Um sussurro! – Disse Metchano

    – Ai meu... – Morty tremia de medo

    – Acabemos com isso, Envenenar Arma!! – Thunder Joe usou a habilidade

    Thunder Joe tentou cortar o sussurro, acertou uma, mas logo o sussurro desapareceu:

    – Morty Magnum useis Revelação!! – Ordenou Thunder Joe

    – N-não dd-dá!!!

    – Medroso, eu ajudo, IMPACTO EXPLOSIVO!! – Metchano revelou o fantasma, causando dano no mesmo, só restou um pedaço de pano.

    Um sussurro estava derrotado, e nossos heróis continuavam andando atentos pela embarcação naufragada. A porta do segundo andar estava logo à frente deles, porém atrás a situação era outra:

    – ESQUELETOS PIRATAAAAAASS!! – Gritou Morty Magnum

    – Contenha-se Monge! – Disse Thunder Joe – Descei vós as escadas.

    Metchano e Morty Desceram as escadas, Thunder Joe desceu por último e fechou o alçapão:

    – Bem.. Parece que estamos seguros agora, se pelo menos Morty tivesse lido a placa não estaríamos nessa encrenca. – Deduziu Metchano

    – Ah ótimo, agora a culpa é minha!? Vocês que quiseram me seguir!!

    – Deixa, esqueça, vamos continuar andando.

    O grupo continuou andando pela embarcação antiga, atentos, procurando um tesouro. Morty grita ao ver um esqueleto no chão:

    – AAAAAAAAAAAAAAHHH!!

    – Morty, é um esqueleto morto, apenas morto, é inofensivo!

    – T-tudo bem.. vamos continuar andando...

    Quando se viraram de costas para o esqueleto, o mesmo se levantou sem nossos heróis perceberem e atingiu Morty nas costas, fazendo-o cair:

    – Aii!!

    – Mas o que é isso?! – Metchano se virou e viu o esqueleto com um bastão na mão – Um andarilho!!

    – Disso cuidarei, proteja Magnum. – Thunder Joe partiu para cima do monstro

    O monstro defendia os golpes com o bastão, Thunder Joe não conseguia acertá-lo:

    – Hmm... acabará isso agora... Envenenar Arma!! – Thunder Joe conseguiu cortar o bastão do Andarilho com a arma envenenada, cortando o monstro junto.

    – Ai minhas costas! – Gemia Morty Magnum

    – Toma Morty, beba essa poção branca, vai se sentir melhor – Metchano estendeu uma poção branca

    –*Gulp Gulp* – Morty bebeu a poção – Me sinto melhor

    – Muito bem, agora vamos voltar antes que algo pior...

    Antes que Metchano pudesse terminar de falar, eles estavam cercados por Aparições e Almas Penadas. Porém elas não os atacavam

    – Mas que...?? Como chegaram aqui juntas tão rápido? – Metchano estava impressionado

    – Muahahahah! – Uma figura aparecia no meio da multidão de monstros, rindo maldosamente – Parece que temos mais aventureiros querendo morrer aqui!!

    – DRAKE!! – Se espantou Morty Magnum

    – Isso mesmo, que tal irmos direto ao que interessa agora? Muahahaha!! Meus escravos, terminem de uma vez com isso!!

    – Espere, capitão. – Interrompeu Thunder Joe

    – Heh, vejo um brilho sombrio em você mercenário, vou deixar que fale meu caro mercenário.

    – Com quem estamos falando, quem estamos falando com?

    – Com o próprio capitão Drake!! Muahahahahah!! Em carne e osso, melhor, só em ossos. Muahahahah!!

    – Pretende o senhor matar-nos somente com escravos? Que tipo de capitão és? Ademais, conheço vários que suas próprias batalhas travam.

    – Quer uma luta solo?

    – Positivo, eu e o senhor.

    – Seus amigos não ajudarão?

    – Jeito maneira.

    – Muito bem então, escravos, podem sair acabarei com esse mercenário aqui, e transformarei-o em mais um andarilho para meu navio. Muahahahahah!!

    – "Magnum, Metchano, saireis daqui agora!" – Thunder Joe sussurrou

    Morty e Metchano saíram correndo e deixaram Drake e Thunder Joe se encarando. Saíram do navio em segurança e esperavam Thunder Joe no Stroller. Muito esperaram mas ele não voltava:

    – Metchano, acha que devemos ir lá ver se está tudo bem?

    – Ele sabe se virar.

    – Mas o Drake é poderoso demais.

    – Muito bem, você vai lá, eu fico aqui.

    – Ok...

    Morty saiu do Stroller e entrou no navio naufragado novamente, procurou muito lá dentro, não havia monstros, não havia Thunder Joe, Morty ficou preocupado pois não sabia o que fazer mas logo voltou ao Stroller:

    – Metchano, eu não achei ele.

    Metchano começou a rir.

    – Qual é a graça?

    – Logo quando você entrou lá dentro Thunder Joe voltou, ele estava furtivo, portanto você não o viu.

    – THUNDER JOE SEU SACANA!!!

    Metchano ria alto, e Thunder Joe ficava quieto olhando para a runa, mas por dentro, bem por dentro, ele estava feliz. A verdade? Thunder Joe não derrotou Drake, muito menos os escravos, mas fez o que melhor sabe, fugir. Morty perde a raiva de Thunder Joe e volta a guiar o Stroller em busca de mais aventuras.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo 3 - Com a casa nas costas!!

    Após terem sobrevivido da última parada, o céu estava nublado e nossos heróis navegavam à bordo do Stroller. A pedra de Thunder Joe causava uma escuridão em sua mão maior do que a noite. Morty temia a tempestade:

    – Marinheiros!! – Chamou Morty

    – Sim senhor capitão!! – Disse Metchano entrando na brincadeira

    – Desembucha. – Thunder Joe estava intrigado querendo saber os mistérios da pedra.

    – Olha a educação marinheiro Thunder Joe!! Muito bem pessoal, estou com medo da tempestade então... vamos parar no lugar mais próximo o possível até o céu ficar azul novamente.

    – Faça o que quiser. – Thunder Joe respondeu.

    – Vão todos para seus aposentos, para o caso de começar a chover. – Ordenou Morty

    Assim fizeram, todos estavam nos devidos quartos. Thunder Joe ouviu sussurros.

    " Mestre... Mestre..."

    Thunder Joe olhou para os lados, não havia ninguém. Os sussurros continuaram:

    " Responda mestre..."

    – Mestre? Apresente-se agora!

    " Na sua mão... na sua mão... "

    – Pedra...! Dizei-me o que és?

    " Eu sou uma runa mestre... "

    – Runa... Que queres?

    " Ouça bem... só falarei uma vez. "

    – Ouvindo estou.

    " Lua cheia, jardim magnífico, monte superior "

    – ???

    " Era só isso, não tenho muito tempo, vá para esse lugar, nessa data "

    – Mas..

    " Adeus "

    O sussurro parou, o silêncio tomou o quarto. Que seriam aqueles lugares? Seria uma runa comum? Só o tempo poderá nos dizer. Cinco minutos após cessarem os sussurros, Thunder Joe se levantou e foi até Morty Magnum:

    – Magnum – Thunder Joe falou

    – Thunder Joe???!!! É a primeira vez que vem aqui falar comigo por conta própria!! Deve ser importante, fala.

    – Lua cheia, Jardim Magnífico, monte superior.

    – Não entendi.

    – O que significa? Algum local.

    – Isso é uma pegadinha? Eu não sei de nenhum lugar que tenha a ver com o que você disse.

    – Esquecei.

    – Ok, vou fingir que não aconteceu.

    Morty continuou navegando, e os outros em seus aposentos. Uma chuva leve começou a cair, Morty Magnum conseguiu avistar uma ilha de longe:

    – Atenção pessoal!! Já já iremos parar!! – Morty Gritou

    Logo o Stroller parou em uma ilha, parecia uma ilha tranquila e sem habitantes:

    – Em que ilha estamos? – Perguntou Metchano

    – Hmm, deixe me ver... – Morty Magnum abriu o mapa – Bem... Acho que é a ilha Byalan.

    – Ilha Byalan? Não pode ser, navegamos pouco para já estarmos à essa distância de Alberta!

    – Mas não tem outra ilha em nosa rota além da Byalan.

    – Morty seu besta!! Desviamos da rota, estamos na ilha tartaruga!

    – Drew?!

    – Grrrrr....

    Metchano estava muito irritado com Morty. Quanto ao próprio... estava novamente confundindo tudo com o Drew. Sem dúvida a situação não era boa, Morty havia confundido a rota e agora nossos heróis estavam na Ilha da Tartaruga, uma ilha em formato de tartaruga e lotada de tartarugas. A chuva estava mais forte e nossos heróis precisavam encontrar abrigo, andaram muito até encontrar um lugar onde se refugiarem da chuva:

    – DRRRRRRRRRRREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEWWWW!!! – Morty correu em direção à caverna

    – Morty, isso não é um Drew, é uma caverna...

    – Aah...

    Quanto mais Metchano insistisse, Morty continuava abraçado em Drew, digo, na pedra da caverna.Metchano e Thunder Joe o arrastaram para dentro dela:

    – Devia...

    – O que foi Thunder Joe?

    – Devia estar lotada.

    – Tem razão, já ouvi falar de aventureiros que treinam aqui, será que exterminaram todas as tartarugas?

    Um Agressor apareceu:

    – Drew! – Morty se soltou de Metchano e Thunder Joe e correu para abraçar a tartaruga

    O Agressor lhe acertou um soco poderoso no rosto, fazendo rachar a máscara, quase a quebrando, e seguiu com combos em seu corpo, depois jogando a Estrela Mortal que carrega em suas costas:

    – Essa doeu! – Morty caiu duro no chão

    – Eu cuido do Morty, Thunder Joe, o Agressor é seu.

    Thunder Joe equipou sua Katar da Espinheira Empoeirada para causar mais dano ao Agressor. A tartaruga tentava acertá-lo mas Thunder Joe esquivava enquanto colocava a katar nas mãos:

    – Lâminas Destruidoras!

    A tartaruga voltou para o casco, de onde não saiu mais:

    – Ai minha cabeça... – Morty gemia enquanto bebia a Poção Branca

    – Pelo menos acho que você voltou ao normal.

    – Voltei... eu acho...

    – Vai precisar de uma máscara nova, essa tá toda rachada... posso tirar ela pra você?

    – NÃO!!!!!

    – Calma, foi só uma pergunta.

    – Onde ireis? – Thunder Joe perguntou

    – Pretendo ir até o fim da caverna, vai ver o líder dessas tartarugas é amigável.

    Assim tentaram fazer, o agressor tinha sido fácil, mas e os outros? Teriam a mesma habilidade? Nossos heróis continuaram perambulando pela caverna em busca de uma entrada para o próximo andar, e consequentemente encontrar o líder. A máscara de Morty estava quase partida ao meio, mas ele não a tirava de jeito nenhum. Finalmente, depois de tanto andar, conseguiram chegar em um outro piso, o lugar era um pouco que largo. O grupo se escondeu atrás de uma pedra e observava a fila de tartarugas. Eram 5 filas, cada uma com 10 membros, dando num total de 51 tartarugas. 51? Exato, havia mais uma, o General Tartaruga que estava localizado na frente da fila do meio, e todos olhavam para ele:

    – SENTIDO!! – As tartarugas ficaram em posição obedecendo o general

    – Continuem na posição, agora ouçam. Nosso exército está formado novamente – O general dizia andando de um lado para o outro – Desde quando aquele grupo de aventureiros veio aqui, nosso exército tem demorado para retomar a formação. Vamos nos preparar, e acabar com o próximo grupo de aventureiros que aparecer!!

    – Pelo visto ele não é tão amigável – Sussurrou Morty aos companheiros

    – Continuando, quero mostrar a vocês a incrível força de nosso melhor soldado. Número 45, venha cá. – Um agressor se aproximou. – Agora, destrua aquela pedra!!

    O General apontou para a pedra em que o grupo estava escondido:

    – Ferrou!! – Morty sussurrou para os amigos – Vão quebrar a pedra, vão nos descobrir!! Vamos sair daqui!

    – Não dá!! – Disse Metchano – Está vindo.

    Todas as tartarugas estavam olhando para a pedra e o Nº 45 que se dirigia à ela. Tal fuga seria impossível! E agora?

    – Tive uma ideia, vamos fingir de morto!! – Sussurrou Morty Magnum

    – Eu nem me lembro mais como é que se faz isso, e se forem "testar" para ver se estamos mortos mesmo?

    – Façam o que quiserem – Morty se deitou no chão para parecer que estava morto

    – Veremos no que isso vai dar

    Nossos heróis fingiram de morto e quando a tartaruga quebrou a pedra, todos se espantaram vendo os 3 jogados no chão:

    – Mas...!! – Se espantou o general tartaruga – Por mil tartarugas!!

    – Acho que estão mortos – Disse o nº 45

    – Vamos ver...

    O general tartaruga se dirigiu até os 3 e deu um soco forte na barriga de Morty Magnum, que tentou disfarçar a dor, ficando imóvel. O general chutou a coxa de Morty Magnum, que quase explodia de dor, ainda bem que a máscara escondia:

    – Devem estar mortos... Então vamos pegar os equipamentos, podem ser úteis...

    O general pegou a máscara feliz rachada de Morty Magnum, que ao perceber isso, levantou:

    – MINHA MÁSCARA!!! *Ai minha perna*

    – Ei, você está vivo!!

    – Devolva ela...

    – Não

    – Você vai ver...

    – Manda.

    – Por favor....

    – Já disse que não!

    – ... É melhor devolver ...

    – Se não o que?

    – Se não....... é.... se não você já era.

    Metchano e Thunder Joe se levantaram

    – Invocar esferas espirituais!!

    – Ah ja chega... Exército, acabe com eles.

    As 50 tartarugas iam em direção à nossos heróis

    – Morty vamos fugir!! – Exigiu Metchano

    – Agora não. Fúria Interior.

    – Deixa de ser besta. Vamos logo, estão chegando.

    – Não vamos fugir, preparem-se, vamos lutar.

    Metchano atacou usando Impacto de Tyr para afastar o exército, Thunder Joe atacava no esconderijo para infligir dano em vários de uma vez, e Morty Magnum tentava passar para acertar o Punho Supremo de Asura no general. Logo o exército de 50 estava acabado, só sobrara o General:

    – PUNHO SUPREMO DE ASURA!!

    Morty Magnum usou a habilidade no general

    – Hahaha. Isso faz cócegas!!

    – *cof cof* essa não.

    – Veremos se isso fará cócegas também. – Disse uma voz na entrada do salão – Lanças de Fogo!!

    Dez lanças de fogo caíram sobre o general, que caiu no chão:

    – Argh... não posso falhar novamente, adeus.

    O General saiu correndo, para uma tartaruga até que ele era rápido! Mas quem seria que havia mandado as lanças, certamente a voz já era conhecida:

    – Voltaste Drew Sieg? – Thunder Joe foi o primeiro a vê-lo

    – Voltei, mas não para ficar. – Disse Drew

    – Drew!! – Morty correu em direção à ele

    – Morty, cadê sua máscara? – Perguntou Drew

    – O General levou...

    – Muito bem... eu tenho que ir agora, tinha vindo aqui só para vencer o General e encontrei vocês, ah e Morty, pode ficar com isso até encontrar uma máscara nova.

    Drew deu uma sacola de papelão com 2 furos para poder exergar.Morty colocou a sacola na cabeça.

    – Então tchau...

    – Acho bom lembrarem, que mesmo eu ter ajudado vocês agora, ainda sou o mesmo servo de Clark.

    Drew desapareceu. Nossos heróis saíram da caverna. Havia parado de chover! Nossos heróis voltaram ao Stroller, e Thunder Joe continuava pensando em que lugar seria Jardim Magnífico e Monte Superior. Era difícil a resolução de um enigma como esses. Bem, no final das contas, nossos heróis estão partindo para novas aventuras e não sabem que mistérios podem encontrar.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo 4 - Filho de Tritão, peixe é!!

    – Morty Magnum!! Mais rápido, assim não vamos chegar nunca! – Exigiu Metchano

    – Devagar se vai rápido! – Retrucou Morty Magnum

    – Isso não faz sentido...

    – As vezes o que não faz sentido pode ser de maior importância!

    – Mas que diabos está falando em Morty?

    – Outro dia estava lendo um livro sobre ditados populares, então estou tentando criar os meus.

    – Mas precisa melhorar...

    – De bem é uma melhora sincera que uma melhora fingida!

    – Argh!! Você ouviu né? "Pé na tábua!"

    Morty Magnum continuou recitando palavras, digo, "ditados" enquanto Metchano deu as costas e foi para seus aposentos. Thunder Joe ouviu as palavras de Morty:

    – "Lua Cheia, Jardim Magnífico, Monte Superior" "As vezes o que não faz sentido pode ser de maior importância". Lua cheia... Tempo. Jardim Magnifico... Lugar. Monte Superior... Posição.Quando der lua cheia, precisarei estar no Jardim Magnifico em seu maior monte. Jardim Magnifico?

    Ainda não era lua cheia, mas em poucos dia seria. Todo o mistério estava resolvido, só faltava o incógnita Jardim Magnífico. Logo Thunder Joe vai descobrir, posso ter certeza. O navio tinha acelerado, talvez pelas broncas que Metchano dava em Morty:

    – RAPIDO!! APOSTO QUE NÃO ESTAMOS ANDANDO NEM À 10km/h!!

    – Sábio que é sábio deixa seus discipulos aprenderem na prática. Teoria é teoria, na prática se descobre a verdade.

    – Vai de uma vez!

    – Educação cheira bem... se não sente... seu nariz está entupido!

    – Por favor seu besta!

    – Agora sim!

    Dito as palavras "mágicas" Morty pôde aumentar a velocidade do Stroller. Como sempre Thunder Joe estava do lado de fora pensando. Logo foi possível perceber uma presença incomum no barco:

    – Um... Tridente...? – Percebeu Thunder Joe olhando para o lado – ....

    – É, é meu – Disse um tritão encostado na parede do Stroller

    Thunder Joe guardou a runa e tirou as katares.

    – Calma! Eu não vou atacar ninguém.

    – Hm... e saberei?

    – Eu preciso da ajuda de vocês.

    – Vá e fale...

    – É que eu...

    – Vá e fale com o capitão.

    – Ok.

    O tritão pegou o tridente e foi para a cabine do "capitão":

    – Com licença...

    – Pode falar Metchano – Respondeu Morty sem olhar para quem estava chamando

    – Meu nome não é Metchano.

    – Não brinque comigo, eu conheço muito bem você.

    – Será?

    – Mas afinal do que você... – Morty se virou – UM TRITÃO!! THUNDER JOE!!!!! STROLLER ESTÁ SENDO ATACADO!!!

    – Eu já falei com o Thunder Joe

    – VOCÊ JÁ ATACOU ELE??

    – Não, eu falei que eu preciso de ajuda, e ele disse pra eu vir aqui.

    – Ajuda é? Ajuda em quê?

    – Preciso voltar pra casa, outro dia eu fugi de lá mas não consigo mais voltar. Quero voltar pros meus pais.

    – Bem que você é menor que um tritão normal, mas onde é sua casa?

    – Ilha Byalan no último andar.

    – Ilha Byalan... moleza, quantos andares tem hein?

    – Cinco

    – Ah! É muito fácil, você pode fazer isso sozinho!

    – Se pudesse num pediria ajuda.

    – Pode sim, vai lá – Disse Morty abanando a mão

    – Aposto que não consegue.

    – Pois aposto que consigo.

    – Duvido

    – Nunca subestime o poder de Morty Magnum

    – Vai lá fortão!

    – Pois estou indo pra lá agora!

    Morty Magnum deixou ser levado pelo velho truque do "Duvido". Mas enfim, nossos heróis se dirigiam para a ilha byalan, entregar o pobre filhote de tritão. Chegando na ilha...

    – Muito bem, está entregue – Disse Morty descendo do barco para se despedir do tritão

    – É até o quinto andar.

    – Mas leia aquela placa! Não podemos ir.

    "Atenção Aventureiros:
    Logo à frente: Calabouço da Ilha Byalan. Cuidado!
    Alguns lugares são inacessíveis por estarem inundados e sem Oxigênio.
    Prefeitura de Alberta"

    – Pena né? – Tentou disfarçar Morty Magnum

    – Mas eu conheço o lugar mais que a prefeitura de Izlude, confie em mim, existem lugares que é possível respirar!

    – Ah que pena, que tal outro possa te ajudar?

    Morty ia andando para o Stroller, mas Metchano e Thunder Joe não deixavam:

    – Você disse Morty – Insistiu Metchano

    – Mas...!

    – Sem mas! Vamos logo.

    Morty Magnum foi arrastado até a caverna, onde nossos heróis caminhavam, descendo andares, haviam muitos aventureiros até o terceiro andar, mas no quarto:

    – Hmm... Descei vós. – Ordenou Thunder Joe

    E mergulharam naquele poço, porém não era possível nadar, pois os equipamentos lhes pesavam. Realmente era possível respirar em algumas cavernas que, estranhamente, não entravam agua. Para nossos heróis não foi problema, afinal, não havia nenhum fantasma ou algo do gênero. O tritão foi entregue com facilidade:

    – Obrigado – Agradeceram os pais do tritão – Mas antes quero dar uma coisa como agradecimento...

    – Ah não precisa! – Insistiu Metchano

    – PRECISA SIM!!! O QUE É?! UMA CARTA? – Morty esperava de mãos abertas

    – Acalme-se jovem, é uma coisa simples mas que poderá ajudá-los.

    O tritão estendeu o Tridente. Agora nossos heróis possuem o Tridente do Mestre Tritão!

    – Ah... pelo menos da como uma boa lança – Disse Morty Magnum

    – Lança?! Hahahaha!! Não! Isso vai ajudá-los quando mais precisarem, sei que vão encontrar.

    – Encontrar quem?

    – Por acaso não são navegadores?

    – Somos

    – E vão dar a volta pelos mares de Midgard?

    – Vamos

    – Portanto tomem cuidado ao se aproximarem Círculo dos Espíritos.

    – Hã?

    – Circulo dos Espíritos, é um lugar onde há um sério risco de atingirem um espinho de pedra, tem esse nome porque muitos navios já afundaram lá. Fica perto de Veins, ou algo assim.

    – Pode deixar! Tomaremos cuidado!

    – Vão em paz, ah, e obrigado denovo!

    Após se despedir, Morty esqueceu de perguntar para quê o tridente, afinal, só ficou sabendo é do Circulo dos Espíritos.Voltaram para o Stroller:

    – Marinheiros! – Chamou Morty

    – Sim senhor! – Disse Metchano disposto

    – Hm...? – Como sempre, disse Thunder Joe

    – Eu encontrei no mapa o tal círculo!

    Morty Magnum mostrou o mapa:

    O círculo ficava pertode Veins, em um lugar rodeado de pedras pontiagudas

    – Parece perigoso. – Palpite besta de Metchano

    – É perigoso!

    – Tomai tu, cuidado. – Thunder Joe voltou para o lugar onde sempre ficava olhando a runa

    Após isso, Metchano insistiu em ir lá falar a verdade ao amigo:

    – Thunder Joe, olhe bem, essa runa... é uma nada! Não existe tal enigma!

    – ...Falou ela com minha pessoa...

    – As vezes foi só sua imaginação!

    – .....

    – Olha cara, mesmo se existisse tal enigma e tal sussurro... como você ia resolvê-lo?

    – Eu... negativamente... sei

    – Muito bem, agora, espera que a resposta caia do céu? Pois eu acho que não!

    Como que mágica, um papel estava seguindo o caminho do vento quando caiu no piso do Stroller. Thunder Joe pegou o papel:

    "Venha visitar Hugel, a cidade do Jardim Magnífico! E não esqueça de se hospedar no Hotel Luz Lunar. Temos vista para o monte mais alto de Hugel, vista LINDA!!

    Solteiro-> 5.000z
    Casado-> 7.500z"

    No mesmo momento, Morty Magnum interrompeu:

    – Pessoal, próxima parada... Hugel! É bem perto daqui!! Ah, e vamos subir o monte para ver a lua cheia... não é incrível?!

    Metchano estava boquiaberto:

    – M-mas... isso não fez sentido algum... – Gaguejou ele

    – Metchano... Às vezes, o que não faz sentido... Pode ser de maior importância – Recitou Thunder Joe

    – Opa... essa frase é minha! Que que ta acontecendo?! Eu num era um péssimo filósofo? – Riu-se Morty Magnum

    Enfim, tudo estava resolvido... assim... num piscar de olhos, SERÁ?! Era possível ver alguém agarrado a uns destroços de madeira, acenando para o barco e gritando:

    – SOCORRO!! SOCORRO!! – Gritava o náufrago

    – Alguém está se afogando! Morty, vá salvá-lo!! – Ordenou Metchano

    – EU?! Mas vou molhar a máscara de papelão!

    – Irá tu agora! – Ordenou Thunder Joe

    Morty Magnum se jogou do barco e foi trazer o homem à bordo do Stroller. O homem tossia:

    – *cof cof* Ah... obrig.. *cof* ...gado

    – Bem vindo à bordo do Stroller!

    – *cof* Não sei como... *cof cof* não sei como agradecer.

    – Não se preocupe aventureiro, nem sempre as coisas dão certo! – Disse Morty

    – Não, não sou aventureiro, mas pode me chamar de Poe.

    – Poe? Mas que nome é esse?

    – Poe Riehart... mas... hã...

    – Algum problema? Parece que perdeu alguma coisa...

    – Perdi sim... DROGA... minhas cartas!

    – Cartas? Um simples baralho?

    – Não era um baralho comum! Era um baralho REAL! Ele é MUITO caro!!

    – Que pena... mas eu tenho um, pode ficar com ele

    Morty Magnum deu o baralho para Poe.

    – Bem... obrigado, não é um baralho REAL, mas dá pro gasto.

    – Que bom que gostou, agora, sinta-se a vontade, ainda tem um quarto de sobra, pode ficar nele.

    – Ah, mas quanto à parada?

    – Que parada?

    – Preciso voltar para Prontera...

    – Ta bom, depois que acabarmos a viagem, você pode voltar para lá. Entregamos você em casa.

    – Casa?

    – É, quê que tem?

    – Nada.

    – Ta bom, pode brincar com meu Poporing, ele ta lem baixo.

    – Ele não vai comer as cartas vai?

    – Não! Ele é bonzinho...

    – E por que você usa uma máscara de papelão?

    – Esqueça que uso máscara ta bom?

    – Ok.

    Após essa longa apresentação, Poe se aproximou de Thunder Joe:

    – Oi...

    – ...?

    – Quero fazer um teste com você, posso?

    – Teste...?

    – Coisa rápida, fácil.

    – Em frente...

    – Tenho umas cartas aqui, você tem que adivinhar se a que eu tirar é maior ou menor que 5. Ok?

    – Farei-o.

    E Poe fez o mesmo teste com todos, e logo passou a jogar cartas, Metchano, Thunder Joe e Poe se reuniram no salão de baixo e começaram a jogar enquanto Morty Magnum recitava mais palavras sem sen... ditados. Estava firmado: Próxima Parada: Hugel!

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo 5 - Sem medo do Escuro!!

    Mais uma vez, nossos heróis estão no Stroller, o que agora parece ter chegado ao ponto de um Cassino:

    – Mais uma...

    – Você já tem 20!!

    – Quero mais uma...

    – Um A's!! 21 !!!

    – Hehe... passa a grana.

    Eram Poe e Metchano jogando BlackJack quando foram interrompidos por alguém:

    – Pessoal... acho bom pararem com esse jogo... – Era Morty Magnum

    – O que há de errado? – Poe gostava de jogar

    – Acontece que se me pegarem com um Cassino dentro do navio... eu vou preso!! Na verdade todos nós!!

    – Não esquenta cara, faço isso há anos e nunca aconteceu nada.

    – Mas não insistam... não jogarei com vocês.

    – Magnum... – Interrompeu Thunder Joe – Devias estar tu guiando o barco?

    – PELO ARMÁRIO DE DAVY JONES!!! Me esqueci!!

    Morty saiu correndo para o leme, mas já era tarde de mais, antes de colocar as mãos nele... o navio encalhou.Morty voltou para o "Cassino". Estava tudo revirado e todos com a cara no chão:

    – Morty seu... – Resmungava Metchano se levantando

    – Pelo menos chegamos em Hugel! – Disse Morty com felicidade

    – É... Hugel... O lugar onde o navio encalhou e de onde talvez nunca mais iremos embora! Preciso voltar para Prontera! – Lembrou Poe

    Enfim, estavam em Hugel, onde ficaria por um bom tempo, já que mesmo se quisessem sair não podiam... Foram para uma casa que já conheciam na última aventura, a velhinha abriu a porta:

    – Oh... vocês voltaram! Sintam-se a vontade! – Cumprimentou ela feliz

    Morty Magnum, Poe e Metchano entraram, Thunder Joe recusou-se. Tinha um objetivo, e pricsava alcançá-lo. Ele saiu andando pelas ruas procurando pelo hotel do bilhete. Logo pôde avistá-lo:

    – Saudações aventureiro! – Um homem bem arrumado vinha comprimentar Thunder Joe na frente do Hotel – Vai querer passar a noite?

    – Informação lhe peço.

    – Pode perguntar então... Se quiser saber o preço...

    – Se fordes ao topo deste aprazível monte, escolhereis qual caminho?

    – Hã? De que planeta você veio cara? Enfim... deixe me ver se entendi, você quer sabê o caminho pro topo do monte grandão ali?

    – Afirmativo.

    – Ah cara, sei lá, pouca gente vai lá sabe? Mas se tá afim mesmo você pode seguir por uma trilha que fica lá trás. Mas e aê? Vai alugar um quarto...?

    – Agradecimentos por a informação, mas negativamente me hospedarei.

    – Beleza então...

    O diálogo termina e Thunder Joe vai subir o monte, ele devia ter uns dois mil metros de altura! Ele deu a volta por trás do monte, onde havia uma trilha que levava ao topo, uma trilha fechada na qual estava preparado para passar.

    Enquanto isso... Na casa da vovó...

    – Metchano! Duvido que você adivinha qual carta eu tenho na mão... se acertar te dou 2.000z! Só posso dar uma dica!

    – É menor que 2?

    – É...

    – É um A's de espada?

    – Leva... – Poe estendeu uma sacola com zenys.

    Morty Magnum não estava lá. Ele estava procurando por peças para consertar o barco. Thunder Joe subia a trilha, o caminho foi fácil e havia uma vista linda da lua cheia no topo do monte. Ele estava lá, no monte mais alto da cidade do jardim magnifico, exatamente em tempo de lua cheia! E... e agora? Estava exatamente lá na hora certa mas... nada acontece...

    – Apareça!! – Ordenou sem êxito – .....

    Thunder Joe tirou a Runa do bolso, eis que ela brilhava com uma obscuridade enorme e parecia deixar na completa escuridão tudo o que ficava perto dela. Ele colocou a Runa contra a luz lunar. A Runa surtiu um efeito de transparência, criou uma barreira de energia em volta, não deixando Thunder Joe segurá-la, empurrando-o para trás.

    – ?!

    A Runa levitava, aumentando de tamanho cada vez mais, haviam ondas energéticas roxas em seu interior aparentando choques elétricos:

    – Voltaste?

    "Voltei sim Thunder Joe..."

    – Chamaste-me por quê?

    "Felizmente, você conseguiu resolver meu enigma. Durante séculos já fui repassado de mãos em mãos... porém ninguém foi lógico o bastante para resolver esse pequeno problema"

    – Não resolvi-o somente comigo.

    "Não importa! O importante é que resolveu."

    – Me ensinarás técnicas de luta?

    "Vamos com calma. Antes de comerçarmos, preciso que recorde de algumas coisas."

    Cinco lobos se ajuntaram em volta de Thunder Joe, olhando para ele. Preparou a Katar.

    "Não se preocupe, eles não vão te atacar. A partir de agora faça o que eu mando, OK?"

    – Positivo.

    "Ótimo. Simplesmente feche os olhos e relaxe. Sinta os uivos. Quando eu mandar, abra os olhos."

    Os lobos começaram a uivar e Thunder Joe estava de olhos fechados. Os uivos formavam uma melodia harmonizada, agradável para qual seja a pessoa que a ouça. Uivos pararam.

    "Abra os olhos"

    Assim fez Thunder Joe. Era incrível! Ele estava em Lighthalzen. Mas havia algo diferente, a casa na qual estavam em frente... não existia!

    "Conhece esse lugar?"

    – É... Lighthalzen... mas... 213 anos atrás. Essa casa...

    "Sabe lembrar melhor a data?"

    – Dia 4 do mês de Fevereiro.

    "Exato. Sabia que se lembraria. O que fazemos aqui fora? Vamos entrar."

    Thunder Joe entrou na casa, a runa não estava ali, apenas a voz dela. Continuou vagando pela casa e subiu até o seu quarto. A casa era muito luxuosa. Havia um casal com um berço na frente.

    "Quem está ali no berço?"

    – Eu...

    Thunder Joe tentou encostar nas personagens, sem sucesso:

    "Não pode encostar neles... isso aqui é um sonho, não é vida real. Na verdade, já foi sua vida real. Já vimos o suficiente aqui, feche os olhos denovo"

    Novamente foi possivel ouvir os uivos.

    "Abra"

    A cena mudou, dessa vez estava em Morroc, treinando. Matava vários arenosos bem rápido.

    "Esse é você, está treinando. Sabe o que vai acontecer?"

    – Kakashi, recrutador da guilda de Mercenários aparecerá.

    "Estou impressionada com sua memória!"

    E isso aconteceu. Kakashi, um dos recrutadores da guilda dos mercenários apareceu. E o jovem Joe conversava com ele respondendo uma série de perguntas simples.

    "Já deve saber o que acontece depois. Agora, vamos avançar mais um pouco. Feche os olhos"

    Novamente os uivos voltaram.

    "Pode abrir."

    Dessa vez, a cena era de Thunder Joe na frente de uma mercenária no meio do deserto.

    "Você conhece ela, mas não se lembra do nome."

    – O nome... Dize agora.

    "Hehehe... não vou falar..."

    – .......................

    "Se sente triste ao ver ela aqui né? Bem... vamos voltar para Hugel, é hora de acordar!"

    – Quero ficar mais.

    "Não"

    – ...Qual o motivo...

    "Hehe, eu já explico tudo, voltemos para Hugel. Feche os olhos."

    O mesmo ritual se repetiu. Agora estavam em Hugel nos dias atuais.

    "Deve estar se perguntando: Por que me mostrou isso? É simples... antes de aprender a habilidade que eu lhe ensinarei, você tem que aprender a não ter sentimentos ao se lembrar do passado. Entendeu?"

    – ...

    "Na última cena, você mostrou que ainda quer que o passado volte, para mudar seus atos. Isso não pode acontecer. Não se deve chorar pelo leite derramado, passou, passou!"

    – Entendo. Que técnicas ensinarás?

    "Tecnicas?! Hahahah! Não são técnicas, mas uma habilidade especial. Mas se são técnicas que você quer, após completar essa viagem com seus companheiros, existe alguém procurando-os no Palacio de Prontera."

    – Como?!

    "Eu sei de muitas coisas, agora, está pronto para aprender?"

    – Positivo.

    "Ótimo. Tire todas as mágoas do passado de sua cabeça. Mantenha em foco apenas um. O seu maior inimigo que é..."

    – Senhor dos Mortos.

    "Exato. Depois que fizer essa duas coisas, segure-me apontando para o alvo."

    – Mas onde estás?

    "Quando eu terminar de explicar, voltarei a ser uma Runa... portanto preste atenção, só poderá me chamar novamente neste mesmo lugar à esta mesma hora. Agora repita o que deve fazer."

    – Livrarei-me das mágoas do passado, Pensarei em meu inimigo, segurarei-a e apontarei para o alvo.

    "Exato, acho que já aprendeu o bastante. Treine sempre que puder. Voltarei a ser uma Runa, portanto preste atenção nas minhas palavras, não tenho muito tempo:
    Círculo Monstro Tritão"

    – ...?!

    A enorme orbe energética parou de flutuar, voltando a ser uma runa e caindo nas mãos de Thunder Joe. Ótimo... agora a Runa havia deixado outro enigma, Círculo Monstro Tritão. Seria um círculo onde havia muitos monstros chamados tritão? Ou um círculo que um monstro fez após apanhar de um tritão? Só o tempo poderá nos dizer, mas sem dúvida, deve ser uma pista preciosa.

    Morty Magnum continuava procurando por peças quando ouviu 2 amigos conversando, tinham cara de marinheiros:

    – Mas que azar! As peças que comprei para meu navio não cabem nele! As porcas são muito pequenas – Disse um

    – Vai ver você consegue vender. – Sugeriu o outro

    – HEY!!! – Morty Magnum se dirigia aos marinheiros – Estou precisando de peças para meu navio.

    – Vai pedir para outro! Homem do saco na cabeça! HAHAHAHA!! – Eles riam da sacola de papelão

    – Vão vender ou não?

    – Vender? Com essa sacola você parece um mendigo querendo de graça! HAHAHAHA!!

    – Eu pago 10.000z !!

    – Hmm... façamos o seguinte... eu tenho um baralho aqui... se você adivinhar qual é minha carta, eu te dou a peça, se errar, me dê a grana tá?

    – Hã... tá bom.

    O Homem embaralhava as cartas:

    – Você tem 3 dicas.

    – É menor que o Rei?

    – É.

    – Maior que o A's?

    – Sim.

    – É de Paus?

    – Não.

    – É um... 5 de Copas!!

    – HAHAHAHAH!!! ERROU!! PASSA A GRANAAAAA!!!!

    Morty voltou triste para casa:

    – Morty, onde estava? Conseguiu achar o que queria? – Perguntou Poe

    – Eu perdi numa aposta com cartas...

    – E...

    – Perdi 10.000z

    – Nossa!! E se ganhasse?

    – Se eu ganhasse... eu levaria as peças do barco.

    – Hmm... eu tenho 10.000z aqui... – Poe contava o que sobrara do naufrágio

    – Pera aí... você vai fazer isso por mim?

    – Claro! Vamos!

    Morty levou Poe para onde os marinheiros estavam, continuavam lá:

    – Ei! Olhe se não é o homem do saco e o seu amiguinho "Mimado". Hahahaha. Olhe a diferença de um riquinho mimado pra um pobretão. HAHAHAHAHA!!!

    – Vim jogar naquela sua aposta. – Desafiou Poe

    – Tem grana aí?

    – Mesma quantia.

    – Bora.

    O homem pegou uma carta.

    – Você tem 3 dicas.

    – Vamos fazer o seguinte, me deixe com 1 dica, mas se eu ganhar, você dá as peças, seu colar de diamantes e seu anel de diamante.

    – OOOH, você se acha o cara né? Vai lá!

    – É menor ou igual a 2?

    – Erm... não sei dizer...

    – É um coringa.

    – MAS COMO?! VOCÊ OLHOU!! EU NEM DISSE A PISTA!!

    – Se não sabe é porque vale como um, você mesmo disse a resposta.

    – Leva...

    Após terem recuperado as peças e reconstruido o Stroller, nossos heróis embarcam novamente. Apesar de muita coisa ter acontecido em Hugel, ainda existem muitos mistérios, e dessa vez nossos heróis partem sem rumo para o Oeste.

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


    Última edição por Icarus Morrisane em Ter Jul 20, 2010 4:34 pm, editado 1 vez(es)
    avatar
    Icarus Morrisane
    Seeker
    Seeker

    Mensagens : 332
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 04/07/2010
    Idade : 21
    Localização : Kunlun

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  Icarus Morrisane em Ter Jul 20, 2010 4:31 pm

    Capítulo 6 - Abissal e Colossal!!

    Mais uma vez, todos os tripulantes estavam à bordo do Stroller. Haviam contornado o Terrirório do Templo de Odin, passando pelo estreito de Eimbroch e Juno:


    – Hmm... Círculo dos Espíritos heh? – Morty Magnum disse olhando o mapa – Não vejo perigo até agora...

    Uma neblina envolveu o barco, era difícil enxergar qualquer coisa a um palmo de distância do barco.

    – Hã...

    – Morty, acho melhor pararmos em uma borda mais próxima. – Sugeriu Metchano. Para nossa segurança

    – Que nada! Um verdadeiro capitão não desiste em meio a uma pequena neblina!

    – Aposto que quem provavelmente disse essa frase não está vivo até hoje pra provar isso!! Melhor ancorarmos e esperar a neblina passar.

    – Não há perigo! Não existem pedras, olhe.

    – Como vou conseguir ver com uma neblina enorme dessas?

    – Por isso! Você não vê!! O que os olhos não veem, o Stroller não sente.

    – Aff!

    Metchano foi para o seu quarto, enquanto Thunder Joe permanecia sentado na borda do barco afiando as lâminas das katares e pensando no enigma:

    – Círculo... hmm.... Provável estarmos no Círculo dos Espíritos... deve ser isso...

    E continuou pensando nas outras palavras. Morty Magnum navegava calmamente quando vê um espinho de rocha na frente. Havia um papel preso na pedra por uma flecha fincada. Morty para ao lado da pedra e pega o papel:

    "Dia 27 de Setembro de 1254

    A tripulação corre perigo, há um
    círculo de espinhos a nossa volta
    e parece que o navio está agarrado
    em algo. Não tenho certeza se vamos
    conseguir navegar novamente. Não
    posso mais escrever, pregarei isso
    numa pedra!!
    ABYSSMUS
    Davy Jonnes me levará, adeus"

    – Pobre coitado, mas o Capitão Morty Magnum não tem medo de ter o navio agarrado no meio de um círculo de espinhos rochosos dentre uma neblina!

    Morty Magnum amassa o papel e joga pra trás que cai na frente de Thunder Joe:

    – ABYSSMUS...

    – O que foi que disse? – Perguntou Poe que estava perto

    – Leia tú...

    Thunder Joe entregou o papel amassado para Poe que leu atentamente:

    – Epa! Esse cara morreu logo depois de falar essa palavra? Acho que é um nome...

    – De quê seria tal nomenclatura?

    – Olha... pensando um pouco eu posso dizer que não é de gente. Separando as palavras... temos Abyss Mus. Abyss, seria abismo ou as profundezas marítimas e Mus seria uma palavra acrescentada a Abyss para formar um nome.

    – Uma criatura...?

    – Se eu estiver certo, só pode ser. Talvez uma criatura de alguma lenda, um Leviatã que vive no mar. ESPERE!! Se isso foi pregado por aqui... devemos estar perto do círculo de espinhos. A-Abyssmus!! Logo encontraremos ele!! Teremos que avisar Morty Magnum!

    Poe foi correndo falar sobre o monstro para Morty Magnum:

    – Um monstro heh? Marinheiro que é bom marinheiro não tem medo do mar.

    – Agora você se acha um velho lobo do mar que fica citando provérbios? Vamos morrer!!

    – Grandes coisa... o Thunder Joe já ta morto mesmo, não deve ser tão ruim assim!

    Poe voltou para Thunder Joe contar o grande "sucesso" ao conversar com o velho lobo do mar Morty Magnum:

    – Que disse ele a ti?

    – Ele disse que vamos morrer.

    – ...!?

    – É... ele quer enfrentar o perigo.

    – Espera tú. Círculo... Círculo dos Espíritos... Monstro... Abyssmus...

    – Hmm?

    – Esqueça tú.

    – Foi bom te conhecer...

    – Não morreremos.

    – O quê?

    Thunder Joe se levantou, e ia andando até até a cabine de Morty Magnum, tirando a Runa do bolso.

    – O que você vai fazer Thunder Joe?

    – Verei se funcionarás!

    Thunder Joe apontou a Runa para frente na neblina. Ela começou a brilhar, um brilho roxo escuro, até que apareceram letras na neblina dessa mesma cor, podia-se ler:

    "Nebel Zerstreuen*"

    A neblina se dissipou, indo junto com as letras, e agora podia-se ver perfeitamente o que estava em volta mas ainda havia uma certa escuridão. A água tinha uma coloração vermelha escura, Morty deu uma olhada em volta:

    – Heh... estamos cercados... cercados por espinhos rochosos. COMO VIEMOS PARAR AQUI!!? DO MESMO JEITO QUE NÃO DÁ PARA SAIR NÃO DÁ PARA ENTRAR!!!

    – Negativo, estes espinhos não possuem permanência, foram posicionados após nossa chegada.

    – Estamos presos, além de estarmos cercados, estamos com o fundo agarrado!

    Thunder Joe segurou forte a Runa, caso precisa-se usá-la. Morty Magnum preparou a maça e Metchano, percebendo que o navio parou, foi ver o que estava acontecendo:

    – Morty Magnum, por que parou?

    – Preparai a lança! – Respondeu Thunder Joe por Morty Magnum

    Mesmo sem entender, Metchano obedeceu, Poe ficou abaixado para não levar danos, afinal, a missão de nossos heróis, além de explorar mais o mundo era levar Poe são e salvo para Prontera. Stroller começou a tremer, as águas começaram a formar pequenas ondas que acertavam o casco do barco. Dentre as águas na frente do Stroller saiu um monstro enorme, aparentando uma serpende marinha enorme, talvez um parente distante da Serpente Suprema, ou uma espécie rara de Leviatã. Naquela hora não importava a descendência, pois só sabiam de uma coisa: Era Abyssmus. O monstro deu um rugido enorme fazendo o Stroller tremer. Morty desmaiou de medo (literalmente):

    – Ah ótimo, agora somos 4... só que um desmaiou! – resmungou Metchano

    Abyssmus ameaçou atacar:

    – O que faremos? – Metchano estava desesperado

    Naquele momento passaram-se flashes pela memória de Thunder Joe:

    – Hmm...!

    – AAAAAAAAAAAAAAAAAAHH – Metchano gritava esperando alguma reação

    – No círculo dos espíritos encontrareis um monstro Abyssmus... – Thunder Joe falava com calma.

    – Como pode falar uma coisa tão óbvia como essa numa hora dessas?

    – Após encontrar o Monstro... Tritão...

    Mesmo sem o monstro atacar, Stroller parecia que ia se despedaçar logo, devido à grande movimentação das águas:

    – Isso! Pegai o Tridente do mestre Tritão!!

    – N-não sei pra que você quer mas... Vô la pegá!

    Metchano correu para pega a lança, Abyssmus investiu contra Stroller, fazendo grande estrago no barco. Metchano voltou, mas pela pressa, caiu no chão:

    – Que aconteceste?

    – Ah... tropecei no Morty... será que ele tá legal?

    – USAI LANÇA BUMERANGUE COM O TRIDENTE!!!

    – Ta bom! Lança Bumerangue!!

    A lança tentou acertar o monstro, mas ele era rápido de mais, e se esquivou fazendo a lança errar.

    – Não dá! Ele é rápido demais!!

    – Sei!

    Thunder Joe apontou a Runa para Abyssmus, a Runa criou trevas em volta, lançando contra o monstro, a seguinte palavra apareceu em uma entonação negra:

    "Blindheit*"

    As trevas envolveram os olhos do monstro, obstruindo a visão:

    – Metchano! Atacas agora!!

    – Lança Bumerangue!!

    A lança acertou em cheio a criatura, porém a lança permaneceu lá, não voltou. A criatura voltou para o fundo do mar, não estava morta, mas ferida. Os espinhos rochosos abaixaram e o mar estava navegável denovo.

    – Thunder Joe! Você é muito bom em resolver mis... – Metchano tropeça denovo e bate a cara numa parede de madeira – Maldito... capitão...

    Após um tempo Morty Magnum acordou e voltou a navegar o querido barquinho... que estava pelo menos pela metade, já não tinha mais teto, parecia apenas uma carcaça de madeira flutuando com um leme e 4 tripulantes. Nossos heróis conseguiram passar pelo círculo sãos e salvos... será?

    – Morty... vai ter que procurar peças denovo... hehehe – ria Poe

    – Nem brinca...

    – Hehehe.

    Um enorme navio podia ser visto a distância. Logo esse navio estava mais perto e mais perto... e parou do lado do Stroller.

    – S-são Piratas... – Gaguejou Poe

    Era possível ver uma enorme tripulação naquele grande navio... piratas, uns sujos, outros meio arrumados, bucaneiros, e arruaceiros. Dentre esse grupo enorme, o primeiro pulou no Stroller:

    – Bom vê-los novamente!

    – DREW SIEG?! – Se espantou Morty Magnum

    – Sou eu mesmo, desde que assumi o cargo de líder da Ordem Beta, tenho procurado acabar com os que podem impedir meus planos.

    – Nós?

    – Exato!

    – Mas a sua tripulação é enorme! Injustiça!!

    – Ela é só de enfeite por enquanto – Drew pulou de volta para o navio – Lanças de Fogo!! Adeus, idiotas! HAHAHAHA!!

    As lanças queimaram Stroller, fazendo o barco afundar, junto com nossos heróis...

    Mas... não pode acabar assim... não vai acabar assim! Ou vai?

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo 7 - Esquecido por todos!!

    Morty Magnum acordou. Estava num lugar não muito agradável, mas viu seus amigos ao lado, dando uma sensação de conforto por não estar sozinho.

    – Thunder Joe... acorda... – Morty tentava ficar mais calmo possível tentando levantar os amigos caídos na areia.

    – ...? – Thunder Joe se levantou – Mas..?

    – Também não sei onde estamos, mas seja onde for, não é um lugar muito amigável. – Disse Morty olhando para as árvores mortas e a cor escura do gramado

    – O mapa...

    – Ah claro! Acho que não perdi ele...

    Morty pegou um pedaço de papel no bolso, ele estava enxarcado e era impossível usá-lo novamente. Metchano e Poe acordaram:

    – Hehehe!! – Ria Metchano – Morty seu rosto é muito engraçado!

    – A SACOLA DE PAPELÃO!!!

    – É! Ela não está mais aí!! Hahahaha...

    Morty ficou vermelho. Ele não gostava de jeito nenhum de seu rosto e saiu correndo para longe dos amigos.

    – Ei Morty! Espera!! Era brincadeira... – Metchano gritou tentando se desculpar

    – Palhaço! – Poe disse para Metchano – Morty Magnum é nosso capitão, sem ele não conseguimos sair daqui, nem em uma jangada!

    – Vamos procurá-lo... – Disse Metchano

    – Procurar?! Ninguém sabe o que tem nessa ilha! Com um passo podemos morrer.

    – Eu vou. Vem ou não?

    – Irei. – Afirmou Thunder Joe

    – Já que todo mundo vai morrer... então eu vou também. – Poe foi obrigado a aceitar

    Thunder Joe, Metchano e Poe saíram daquela pequena praia em que estavam. A ilha parecia amaldiçoada, existiam algumas pequenas casas, mas estavam todas destruidas e abandonadas. Metchano encontrou uma espécie de ferramenta rural no chão e se abaixou para pegar. Alguém cutucava seu ombro:

    – Pera aí Poe, deixe-me ver o que é isso aqui no chão...

    – Err... Mas não sou eu que...

    Continuou cutucando.Metchano pegou a ferramenta, uma especie de foice.

    – Pronto... pode falar agora Po... – Metchano virou pra trás – V-você não é o Poe... p-pode pegar sua ferramentinha...

    Era um Massacre. Metchano deu a ferramenta pro Monstro, que ameaçou corta-lhe a cabeça. Thunder Joe pegou a Runa e mirou contra o Massacre. Ela começou a girar em volta do monstro, e voltou para o dono, aparecendo em cima do monstro:

    "Schwindlig*"

    O Massacre ficou tonto e não conseguia atacar, Thunder Joe e Metchano enxeram-lhe de golpes até ele não poder atacar mais:

    – Que mal educado... eu dei a ferramenta dele direitinho e ele vai e tenta me matar? – Metchano irou-se

    – Da proxima vez, da a foice pra ele no meio da cara! – Reclamou Poe

    Eles continuaram andando até encontrar uma construção enorme. Parecia uma espécie de monastério. Metchano olhou para o chão:

    – Isso não é nada bom... são pegadas do Morty.

    – Entremos nesse... Hmm... Monastério – Sugeriu Thunder Joe

    – Se eu cheguei até aqui vivo, por mim tudo bem – Afirmou Poe

    E lá foram eles, entraram no monastério, que por dentro parecia bem velho mas ainda possuía a aparência de um. Ouviu-se um grito atordoador vindo de pouco longe, era um grito bem agudo:

    – Será que é o Morty gritando? Hahahahaa – Metchano brincou

    – Banshee. – Disse Thunder Joe

    – Banshee?

    – Banshee é uma alma... alma condenada a gritar... para sempre.

    – Trágico.

    – Vamos nós, procurei vos por Morty.

    Os gritos eram constantes, mas a vontade de resgatar o capitão, err... Morty... era maior. Uma Banshee apareceu:

    – AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHH!!!

    – Uma Banshee!! Thunder Joe, use a Runa para enfraquecê-la. Vou proteger o Poe enquanto isso.

    Thunder Joe mirou a Runa na Banshee, ela começou a ter um brilho roxo... porém apagou:

    – S-sem êxito.

    – Mas porque quando o monstro mais forte aparece ela não funciona? Que sacanagem!

    Banshee acertou Poe:

    – Argh... – Poe caiu no chão

    – Perfurar!! – Metchano conseguiu perfurar a Banshee

    – AAAAAAAAAAAAAAAAHHH!! – O grito da Banshee amaldiçoou Poe, Metchano e Thunder Joe

    – Ela grita muito alto!! – Metchano gritava para Thunder Joe escutar – N-não da para aguentar!!

    – Concentrai!

    – Argh... – Metchano caiu no chão porque não aguentou o grito

    Thunder Joe trocou a katar para uma com carta Metaller e começou a atacar:

    – AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHH........ – A Banshee parou de gritar e estava muda

    – Lâminas... Destruidoras!

    A Banshee foi exterminada... em silêncio! Thunder Joe deu poções para os amigos nocauteados poderem continuar:

    – Muito bem pensado em deixar a Banshee muda com uma carta Metaller – Elogiou Poe

    – Continuai a procura.

    Continuaram andando pelo monastério, chegaram em uma sala grande e circular. Era possível ver Morty Magnum no centro dela... com umas... mosquinhas na frente... se é que posso falar assim:

    – Moscas chatas! – Morty levantou a mão para esmagar elas

    – NÃO!!! – Gritou Metchano empurrando Morty

    – Mas quê?! Como me acharam?

    – Procuramos você... mas seja o que for... fique longe dessas moscas

    – São apenas chon chons vermelhos!

    – MUAHAHAHAHAHAA – Uma das moscas riu maléficamente

    Não podia ser, um chon chon vermelho que fala!! Será mesmo?

    – Esperai vós. – Thunder Joe sabia onde estavam – Estamos na ilha esquecida! És o chefe que moras aqui...

    – Como adivinhou? – A mosca se tornou em uma forma de um inseto-rei enorme

    – Corremos, lutamos, negociamos? – Metchano perguntou baixo para os amigos

    – Olhe, entendam minha lógica – Dizia Poe sussurrando para os amigos enquanto o chefe esperava uma reação – Se corrermos, não temos para onde ir... estamos sem barco! Garanto que esse cara é bem poderoso, vai ser difícil acabar com ele, e mesmo acabando... como sairemos daqui? Vamos negociar.

    – Gosto de seu jeito de pensar. Perguntemos! – Decidiu Thunder Joe

    – Preste atenção... – Poe deu um passo a frente se dirigindo ao inseto – Posso saber seu nome majestade desse lugar?

    – Belzebu.

    – Ahn... B-belzebu? *Gulp* E-então...

    – Desembucha

    – Acontece que destruiram nosso navio e... viemos parar aqui. Precisamos de um navio pra voltar... se você tiver um né...

    – Eu tenho, mas se não quiser dar?

    – Por favor.

    – Me surpreendo como conseguiram chegar aqui vivos.

    – Legal né?

    – Não, me perturbam. Vou ter que acabar com vocês.

    – N-nos dê o barco... eu dou meu colar, e o anel... DE DIAMANTES!!

    – Já tenho jóias demais.

    – O que você quer?

    – Que me deixem em paz.

    – Nos dê o barco e te deixamos em paz.

    – Posso tirá-los da minha frente agora mesmo.

    – Viemos em paz.

    – Tudo bem, já que só vão parar de me perturbar depois que estiverem bem longe daqui, tem uma coisa que podem fazer por mim. Não sei como mas um estranho serzinho sagrado chegou aqui, como muitos de nós não aguentamos o poder sagrado, preciso que vocês tirem-o daqui.

    – Se fizermos isso, nos dará o barco?

    – Sim.

    – Onde ele está?

    – Continuem seguindo em frente, vão encontrá-lo, não terão problemas.

    Assim fizeram, continuaram seguindo em frente. A sala ficava cada vez mais escura:

    – Revelação! – Morty Magnum conjurou uma luz sagrada que iluminava e envolvia os integrantes do grupo

    Logo puderam avistar o Terrível inimigo:

    – É um angeling... – Riu-se Metchano

    – Vamos esmagar ele de uma vez! Vai dar uma boa geléia! – Morty esferegava as mãos

    O angeling conjurou uma barreira mágica, impedindo danos de curto alcance. Thunder Joe mirou a Runa no Angeling. Ela tentava lançar algum poder, porém a luz da revelação ofuscava seu brilho sombrio:

    – .... Quebrai a barreira com vossas mãos.

    Morty Magnum, Thunder Joe e Metchano atacavam a barreira, até ela perder sua cor rosada e desaparecer. Depois disso, foi fácil, alguns cortes ali, outros socos aqui... e pronto, a bolinha rosada tornou-se pedaços de poring. Morty Magnum colocou a geléia no pote:

    – Isso vai ficar uma delícia.

    – Eu não vou querer. Não como porcaria. – Disse Poe limpando a roupa

    – Melhor, assim sobra mais

    Após saírem daquela sala onde estava o angeling, voltaram para o salão do Belzebu, porém não o encontraram:

    – Mas o quê?! – Morty procurava ele – Ele fugiu!

    – Sabia que não devia acreditar nele – Metchano sacou a espada – Vamos sair daqui, tentaremos construir um com nossas próprias mãos.

    Saíram, mas não tiveram problemas com monstros, eles haviam sumido. Logo na entrada do monastério, as pegadas de Morty haviam se apagado. Porém logo a frente deles havia:

    – UM NAVIO!!! – Morty correu para ele – É UM NAVIO NOVINHO!!!

    Thunder Joe foi andando até ele, sem dúvida não havia ninguém no navio. Parecia ter sido construido para eles mesmos. Morty Magnum já pora as mãos no leme:

    – Preparados marujos? Próxima parada... Prontera!!!

    – Não tem mar em Prontera. – Disse Poe

    – Ah... Próxima parada... Morroc!

    – Comodo.

    – Isso! Próxima parada... Comodo!!!

    A nova embarcação era sem dúvida o triplo ou quadruplo do Stroller. Morty Magnum pegou um balde de tinta preta e foi em direção a Metchano antes de começar a navegar:

    – Me faz um favor?

    – O quê?!

    – Pinta ali na lateral: Sea Stroller.

    – Andarilho do mar?

    – Claro, esse aqui é bem melhor! Podemos passar completamente inteiros pelo circulo dos Espíritos.

    – Não inventa de passar lá denovo.

    – Ta, mas você pinta?

    – Fazê o quê? – Metchano Pegou a lata de tinta

    Agora nossos heróis tinham uma nova embarcação, o Sea Stroller. O navio era de grande porte, com cozinha, quartos, salão, canhões, mastro, e etc. Agora seria fácil chegarem em Pront...Comodo sem problemas. Será?!

    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Capítulo Final - Cumprindo Objetivos!!

    Mais do que nunca, nossos heróis estavam quase chegando em Comodo, agora em um grande navio: Sea Stroller. Estavam pertíssimo do local de destino. Uma névoa invadiu o navio:

    – Morty – Falou Metchano – Acho melhor pararmos até essa neblina passar.

    – PARAR?! O Sea Stroller aguenta tudo!

    – Se lembra que quase morremos quando você não quis parar?

    – Detalhe... QUASE. Não morremos.

    – QUERIA QUE MORRÉSSEMOS?!

    – Olha como fala com o capitão!

    – É importante, burro!

    – Você é peixe de águas calmas. Não sabe conviver com o perigo.

    – ESTOU MANDANDO PARAR!

    – NÃO PARO! PEIXINHO DE AQUÁRIO!!

    – PARA DE ME COMPARAR A PEIXE!!

    – DEVIA TER TE JOGADO PRO ABYSSMUS!

    – Calma aê... – Poe chegou para acabar com a discussão – Precisamos chegar em Prontera se esqueceram? Com essa discussão, aí sim acabaremos afundando o Sea Stroller.

    – Peixinho de água rasa... – Sussurrou

    – Eu ouvi isso!

    – Parou aí...

    Enquanto brigavam, Thunder Joe estava do outro lado do navio, mirando a Runa na névoa tentando fazer ela funcionar:

    – ...Que há?... – Ele sacudia a Runa como se estivesse emperrada

    "Parece que nunca viu anzol! Peixe magro!" Thunder Joe ouvia

    Ele foi até onde a discussão estava acontecendo:

    – Silenciai! – Ordenou

    – Mais um marinheiro de primeira viagem para a briga?

    – Prestai atenção ao leme, discutes demais e navegas pouco. E tú, cavaleiro, preparai, suba ao mastro, procurai por inimigos. E o senhor, príncipe...

    – PRINCIPE? – Morty Magnum e Metchano interromperam

    Thunder Joe pensava no que falar enquanto Poe balançava a cabeça fortemente e fazia sinais com as mãos, mandando negar:

    – Usei um meio de se referir à alguém da classe de Poe. – Explicou Thunder Joe

    – Há! Eu jamais chamaria alguém de príncipe – Morty Magnum dava risos

    – Façam que mandei.

    Após essa estranha discussão, Morty Magnum voltou ao leme, porém Metchano não queria subir ao Mastro, afinal não daria pra ver nada na neblina. Sea Stroller se chocou, causando um barulho ensurdecedor. Parece que tinha batido na própria névoa. Poe pegou seu lampião e foi andando até a frente do navio para ver em que se chocaram. Ao ver, Poe voltou correndo para avisar a Morty Magnum:

    – Maelstrom!

    Morty Magnum fez uma cara de decepção:

    – Batemos em um redemoinho? -.-

    – NÃO BESTA!!! MAELSTROM, O NAVIO!

    – Um navio com nome de redemoinho?

    Ora, só havia um navio com esse nome, o nome de um poderoso redemoinho marítimo:

    – Peraí! É o navio do Drew?

    – É!

    – Hahahaha! Vamos lá enfrentá-lo?

    – Enlouqueceu?!

    – Talvez, mas e daí? Vamos lá!!

    Morty Magnum saiu da cabine, Poe permaneceu lá, como se esperasse um milagre para o capit... hã...Morty voltar. Morty foi para o local onde havia acontecido o choque, não dava para ver nada. Ouviu-se alguém conjurar:

    – Chama Reveladora! – A névoa dissipou e apareceu Drew Sieg na ponta do outro navio

    – Nos encontramos denovo! – Disse Morty Magnum a frase mais classica de um encontro de inimigos

    – Pensei ter acabado com você! – Drew não demonstrava espanto – Me surpreendo como conseguiu escapar. Não durará muito.

    – Invocar Esferas Espirituais!

    Morty Magnum pulou para o outro navio e segurou Drew, levantando-o pela sobrepeliz pronto para enchê-lo de combos:

    – Barreira de Fogo! – Uma Barreira flamejante surgiu jogando Morty Magnum para trás

    – Ainda dá pra te acertar daqui! Disparo de Esferas espirituais!

    Morty Magnum disparou 5 esferas em direção a Drew:

    – Espelho Mágico! – Uma barreira mágica absorveu as esferas

    – Grrr... Agora vai ver! Invocar Esferas Espirituais... Fúria Inteiroor!!

    Morty fez mais esferas e foi em direção a Drew:

    – Punho Supremo De...

    – Desconcentrar! Desencantar!! – Morty Magnum estava sem fúria, sem esferas e não desferira o golpe – Rajada Congelante!

    Agora ele estava congelado.

    – Relâmpa...

    – Lâminas Destruidoras!! – Thunder Joe apareceu atrás de Drew, cortando parte de sua vestimenta e causando sério dano.

    – Pff... – Drew deu um salto para trás e aparentava estar derrotado porém ainda estava de pé

    – Jamais vencerás. – Disse Thunder Joe

    – .... – Drew tirou um pergaminho do bolso – CURAR!!

    Drew causou sério dano em Thunder Joe, que por ser morto vivo, levava dano pela habilidade Cura:

    – ... – Thunder Joe tentava não cair

    Ele tirou a katar da mão:

    – Que foi zumbizinho? Vai desistir? – Drew não parecia nem um pouco cansado – Não adianta tentar chamar seus amiguinhos de Glast Heim ou Nifflheim ou outros Heim da vida.

    Thunder Joe guardou a katar e tirou a Runa:

    – Nossa, que medo! Você tem uma Runa!! Preste atenção, Runas não servem para mercenários!

    Ele mirou a Runa contra Drew:

    – Acabemos logo com isso... Relâmpa...

    Uma palavra de cor branca apareceu:

    "Stolidus"

    Morty Magnum se erguei atrás de Drew e cutucou seu ombro, fazendo-o virar para trás enquanto estalava os dedos:

    – COMBO TRIPLO!!

    Morty acertou-lhe 3 socos:

    – COMBO QUÁDRUPLO!!

    Morty acertou-lhe 4 socos:

    – O ÚLTIMO DRAGÃO!!

    Morty acertou-lhe mais socos:

    – PUNHO SUPREMO DE ASURA!!

    Morty acertou-lhe um soco supremo fazendo-o cair no chão. Ouviu-se um barulho de canhão, logo após perfurando o casco do Maelstrom:

    – Thunder Joe, marujo, vamos voltar para o Sea Stroller!

    E assim foi. Voltaram para o Sea Stroller. Morty Magnum procurava Poe, e o encontrou na sala dos canhões:

    – Então foi você?

    – Foi... – Poe olhava o navio terminando de afundar

    – Muito bem, vamos zarpar, vamos pra cima.

    Agora estavam sem neblina e sem risco de choque. Navegaram mais um pouco e chegaram em comodo. Não foi lá uma parada profissional mas... pelo menos ninguém se machucou. O navio estava completamente na areia e as pessoas xingavam os tripulantes que quase destruiram uma das casas de Comodo.

    – Chegamos! – Disse Poe – A Kafra está logo ali!

    Desceram do barco, os moradores olhavam raivosos para eles:

    – Bem Vindos, em que posso ajudá-los? ^^ – Perguntou a funcionária Kafra alegre com a típica roupa das Kafras de Comodo.

    – Queremos ir para Prontera! – Disse Morty Magnum

    – Sinto muito... mas terão que usar os nossos serviços para Morroc e em seguida para Prontera. Que tal assim?

    – Ok, vamos lá!!

    A Funcionária esperava com a mão estendida:

    – Estamos prontos.

    – É a primeira vez que passa aqui? Existe uma taxa...

    – Ah! Os zenys estão aqui... – Morty abriu uma sacola, estava vazia. – Hã...

    – Pode deixar, eu dou isso – Poe tirou o colar de diamantes – Aceitam?

    – Claro! Obrigada por utilizar nossos serviços. ^^

    Finalmente, após usarem os serviços Kafra, estavam em Prontera. A cidade como sempre, cheia de mercadores nas ruas, oferecendo todos os tipos de itens para os moradores. Metchano pergunta a Poe:

    – Pronto, estamos em Prontera. Onde você mora?

    – Ah, é lá em cima, vamos!

    Continuaram andando, passaram pela Funcionária de Maroll, pela praça central de Prontera e o Monumento da Paz, assim chamado por Morty Magnum, a famosa "Estátua das Duas Mãos". Estavam se dirigindo ao castelo:

    – Poe, você mora acima do Feudo das Valquírias? Pensei que morasse em Prontera...

    – Eu moro.

    Naquele momento, Metchano olhou para Thunder Joe, que andava seriamente como sempre, sussurrou:

    – Você sabia! – Metchano sussurrou para Thunder Joe.

    Thunder Joe nada respondeu, afinal não tinha nada a responder. Morty Magnum parecia ainda não ter entendidoa verdade sobre Poe. Quando iam entrar no castelo de Prontera, um Guardião Real os interrompeu:

    – Ah olá Icarus! Se lembra de mim? Poe Riehart! – Cumprimentou Poe

    – Sim, lembro-me de você. Mas o que é isso?!

    – Isso?

    – Esse monge risonho, esse cavaleiro impuro e esse... esse mercenário SOMBRIO!! – Ao falar de Thunder Joe, sacou a espada e o escudo ameaçando atacar – Poe, eles são má influência a você!

    – Eles são meus amigos! Me salvaram!!

    Icarus pensou em um pequeno salvamento como, de um roubo ou assalto:

    – Do mesmo jeito você não sabe quem são!

    – Deixe-nos entrar.

    – Entre, mas não reclame caso roubem algo.

    Metchano queria arrumar uma briga daquelas com o Guardião, mas sabia que não devia. Poe mandou segui-lo. Foram até uma sala guardada por um guarda, na qual ele deixou passar:

    – Estão vendo esse corredor? – Poe perguntou

    – Estamos – Responderam

    – Aqui residem os 7 príncipes, um de cada família, um inspetor virá para decidir qual será o novo Rei!! Na primeira sala, príncipe Erich.

    Entraram na sala e viram um moço jovem loiro e com uma capa, sentado no chão, mechendo com cadeados e chaves:

    – Não se preocupem ele é assim mesmo. Na segunda sala, Príncipe Urugen.

    Entraram na sala e viram um sujeito bem vestido, com longos cabelos loiros se olhando no espelho:

    – Ele é a cara do Charles Orleans não é mesmo?

    – Charles Orleans? – Perguntou Morty Magnum

    – Sim, o maior cozinheiro de Prontera. Dizem que existem livros sobre ele! Ele gostaria de ver a sua Geléia de Poring! Na terceira sala, Ahrum, Príncipe Ahrum.

    Entraram na sala, um príncipe loiro com vestimentas azuis estava lá:

    – Ele seria ótimo governando Rune Midgard! Na quarta sala, Helmut!

    Entraram e viram um príncipe barbudo, meio desleixado.

    – Nunca será rei, quinta sala Ernst.

    Na quinta sala, um jovem bem arrumado, com uma bela capa verde de cabelos castanhos claros:

    – Este é o melhor amigo de Ahrum! Na sétima sala, Peter!

    Um homem já adulto, com uma barba, e a foto de uma garotinha de Aldebaran em suas mãos. Morty Magnum interrompeu:

    – Mas e a sexta sala?

    – Ah sim! Sexta sala, Poe Riehart, eu fico por aqui.

    Morty Magnum e Metchano deram um salto para trás de espanto:

    – Você é um dos príncipes?! – Exclamaram

    – Sim, aquela embarcação que naufragou, ela era uma embarcação Real. Sorte que eu era o mais importante e fui resgatado. Por vocês! Fico por aqui, se quiserem podem dar uma olhada a mais no castelo. Charles Orleans fica no subsolo. Adeus, espero vê-los denovo qualquer dia.

    Se despediram, Metchano pensava que Poe trabalhava no castelo, mas não que era um príncipe. Quando estavam saindo do corredor dos príncipes, Icarus se dirigia ao quarto de Poe. Nossos heróis haviam cumprido mais uma missão! Morty Magnum marcou um horário para se encontrar com Charles Orleans, que não estava no castelo no momento. Eles estavam saindo do castelo, pela ponte, voltando à cidade de Prontera quando Icarus os chama:

    – Ei aventureiros! – Chamou Icarus – Preciso de vocês!

    ==================================================================================
    Fim da Travel of Magnum, obrigado por ler, logo poderemos nos encontrar em Wandering of Magnum!
    avatar
    Icarus Morrisane
    Seeker
    Seeker

    Mensagens : 332
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 04/07/2010
    Idade : 21
    Localização : Kunlun

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  Icarus Morrisane em Ter Jul 20, 2010 4:38 pm

    Antes de mais nada obrigado por ler a Travel of Magnum (ou se você for um espertinho que pulou do texto para os comentários).
    Preste atenção, como eu tirei direto do forum da esmero, não deu para colocar as figuras e podem ter algumas anormalidades. Quem ver alguma coisa errada, pode falar aqui que eu corrijo e quem prefirir ler a fic sem edições com gravuras:

    Link da Fic no forum da ESM
    avatar
    -Rockstar-
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 933
    Reputação : 23
    Data de inscrição : 01/07/2010
    Idade : 25
    Localização : Sacro-Império de Arunafeltz.

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  -Rockstar- em Ter Jul 27, 2010 4:43 am

    Uma das melhores e bem humorada Fic que eu ja li, valeu Icarus por postar aqui para agente essa sua otima fanfic ^^
    avatar
    Icarus Morrisane
    Seeker
    Seeker

    Mensagens : 332
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 04/07/2010
    Idade : 21
    Localização : Kunlun

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  Icarus Morrisane em Ter Jul 27, 2010 7:48 am

    Ocorreu uns erros, que no lugar das "aspas" apareceu isso "aspas".
    Então se alguém for ler, basta substituir " por "
    avatar
    Fish-Teacher
    Hodremlin
    Hodremlin

    Mensagens : 142
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 08/02/2011
    Idade : 23

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  Fish-Teacher em Ter Dez 13, 2011 10:54 am

    Adorei a fic,como eu espera esta muito legal.
    Agora só falta ler a ultima ^^

    Abraços.

    Conteúdo patrocinado

    Re: Travel of Magnum

    Mensagem  Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Ter Ago 21, 2018 5:30 pm