A Saga de Ryuu

    Compartilhe
    avatar
    • Ryuu
    Beholder
    Beholder

    Mensagens : 22
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 05/03/2011
    Idade : 23
    Localização : RJ

    A Saga de Ryuu

    Mensagem  • Ryuu em Sab Mar 12, 2011 9:44 pm

    Aquele foi o dia em que minha vida mudou para sempre. Nunca vou me esquecer daquele dia, mesmo sem querer desmerecer meu pai, aquele que me ajudou por muito tempo me ensinando muito, mas nada foi tão crucial para meu agora como a minha experiência fora de casa... Naquela época eu era um aprendiz ainda, morava na cidade onde eu nasci, Al De Baran a cidade do extremo norte de Rune-Midgard, a cidade que separa o Reino de Rune-Midgard da República de Schwarzwald. Era o início dos chamados tempos difíceis. Eu estudava em casa, meu pai era um Arquimago muito poderoso e inteligente, chamado Kenner, era a pessoa que eu mais idolatrava eu queria seguir todos os seus passos para um dia me tornar como ele. Ele tinha uma vasta biblioteca onde eu sempre estudava, ali adquiri muito conhecimento, as dúvidas eu tirava com o meu pai que não me omitia um conhecimento sequer. Cresci naquele ambiente saudável de família, minha mãe era uma linda Alquimista, uma excelente cozinheira, e uma grande vendedora de poções, seu nome era Ayumi. Morávamos em uma casa normal naquela cidade, mas depois daquele dia, o seguinte do meu aniversário de 11 anos, saí de casa literalmente pela primeira vez. Quem sou eu? Meu nome é Ryuu e meu objetivo é ser tão bom quanto meu pai, ou quem sabe até melhor, tudo isso vai depender de mim...

    A Saga de Ryuu
    Capítulo 1 – Mudanças


    Saí de casa rumo a Geffen, a cidade da magia. Lá faria o teste para me tornar um mago. Os magos são muito inteligentes, estão estudando e aprendendo a usar magia, com a bênção de Freya e de meus pais, junto de minha mochila com algumas poções para aprendiz e uma faca, estava pronto para rumar a Geffen, andar até lá seria um longo e perigoso caminho, então, meus pais me deram dinheiro para pagar um teleporte direto para Geffen na Kafra. As Kafras são uma coorporação que atendem em praticamente todas as cidades, com elas podemos usar serviços como o de teleporte, armazém e aluguel. As Kafras de Al De Baran estavam em uma casa no centro da cidade, mais abaixo da famosa Torre do Relógio. Não morava muito longe dali, no caminho, fui apreciando a paisagem bela pela última vez, Era uma bela cidade, tinha um rio que separava o centro do resto da cidade, onde só era acessível pelas pontes, tinha bastante verde e vários mercadores vendendo seus produtos mas com um destaque para alquimistas vendendo suas poções, não era pra menos, pois aquela era a cidade onde se encontrava a Guilda dos Alquimistas. Parei em frente a Torre do Relógio, observei-a bem, de cima a baixo, havia recebido instruções desde pequeno para que nunca me aventurasse a adentrá-la pois guardava perigos para uma criança como eu. Agora estava ali observando-a pensando se um dia, quando estivesse maior e mais forte poderia voltar e finalmente entrar lá, porque o que não me faltava era curiosidade, sempre fui uma criança muito curiosa, vai ver isso me ajudou muito no meu caminho pelo conhecimento, pois eu sempre questionei tudo. Quando direcionei meu olhar para a base da torre mais uma vez percebi algo que me chamou muito a atenção, havia um garoto não muito longe dali trepando em uma caixa de madeira e tentando entrar pela janela perto da base da torre. Aquilo me assustou, o que aquele garoto estava tentando fazer? Se matar? Era muito perigoso tentar algo assim, tinha que impedi-lo de alguma forma, decidi correr até ele para pará-lo. Quando cheguei, chamei sua atenção:

    - Ei você, garoto!! – Ele olhou para mim – O que você está tentado fazer aí?
    - Entrar na torre, ora! – Disse voltando sua atenção para a janela
    - Pois não devia!!! – Chamei sua atenção de volta para mim – É perigoso aí!
    - Mas eu gastei todo o meu dinheiro em um item e eu o deixei cair lá dentro... Agora eu quero pegar de volta...
    - Como ele caiu ali?
    - Eu meio que joguei pro alto e escapou... – Disse ele meio sem jeito – Fui! – Deu um grande impulso para dentro da torre e caiu lá dentro

    Quando vi que ele realmente entrou, entrei em pânico, não sabia se devia deixá-lo ali mesmo ou ir ajudar o garoto... afinal, eu também queria saber como é por dentro. Subi nas caixas que estavam empilhadas e dei um grade salto para dentro da torre, lá dentro encontrei o garoto ali perto admirando a torre por dentro. E realmente tinha que admirar, era muito maior do que aparentava, tanto para cima quanto para os lados, tinha várias engrenagens aparecendo, eram todas grandes, várias escadas que eu gostaria de saber para onde levavam e de repente me lembrei que também haveriam vários perigos ali, tinha que sair de lá rapidamente...

    - Qual é o item que caiu aqui?
    - Não sei o nome, é fino e tem a ver com magia... comprei porque quero ser um mago!
    - Como assim você compra algo com todo o seu dinheiro e nem sequer sabe o nome!
    - Calma cara, tranquilinho aí, vamos pegar logo e sair daqui...
    - Sim...
    - Ali está ele – Disse apontando para um pergaminho em cima de um livro azul que não estavam muito longe dali...
    - Vamos lá...

    Chegamos perto do local onde estava o famoso item, era um pergaminho, não sabia muito bem o que tinha nele e nem sua ligação com magia, mas ele era usado por magos antigos para transmitir conhecimento e guardá-lo, seria o papel do que hoje chamamos de livro. O garoto esticou o braço e pegou o pergaminho, demos meia volta para regressar a saída, mas ouvimos um barulho estranho, algo que parecia um rosnado, mas era estranho, não parecia ser de nenhum animal, estava com raiva, quando nos voltamos para trás, o livro cujo o pergaminho estava em cima estava levitando, ele se virou para nós e se abriu, mas coisas parecidas com presas apareceram no livro e ele estava rosnando para nós, a nossa primeira reação foi gritar:

    - AAAAaaaaaaaaaaaAAAahhhhHH!!!! – Corremos muito

    Acho que nunca tinha ficado tão apavorado, não sabia o que aquela coisa queria fazer, mas não queria ficar para descobrir. Aquilo era rápido estava sempre atrás de nós, não importa o quanto acelerássemos, estava nos alcançando cada vez mas. Corremos tanto até que chegou uma hora em que chegamos em um beco sem saída, ainda estávamos gritando, mas quando paramos de correr, também nos calamos. Aquele livro estava ali, a alguns metros de distância de nós e agora estava se aproximando devagar, como quem diz que atacaria a qualquer instante. O desespero nos faz usar a cabeça as vezes. E nem sempre o resultado é bom, pensei em enfrentá-lo de alguma forma, mesmo que parecesse ridícula a ideia. Pensei em usar minha faca, mas não teria muita chance...

    - Você tem alguma arma aí? – Perguntei ao garoto
    - Você está pensando em atacar aquilo? – Ele perguntou com um grito assustado
    - Parado aqui é que eu não vou ficar – Estava se aproximando mais
    - Não tenho nada... só isso aqui mesmo – Disse olhando para o pergaminho
    - Me dá isso!... – Peguei o pergaminho e abri desesperado... tinha algumas coisas escritas e não tive tempo de ler tudo, mas quando vi estávamos muito perto do livro e ele estava de boca aberta pronto para nos morder quando resolvi gritar algo escrito no pergaminho: – Rajada Congelante!!!

    Aquele momento passou como se fosse câmera lenta. O pergaminho começou a brilhar uma cor azul e uma luz vinha de debaixo de mim, era branca e desenhava um círculo com uma estrela dentro e havia energia exalando ali, dava pra sentir... De repente um caminho de espinhos de gelo que se levantavam do chão se formou, iam rapidamente até o livro onde eles pararam envolvendo-o em um grande pedaço de gelo. Havíamos, de alguma forma, congelado aquela coisa e agora ela estava ali, imóvel, achei um momento perfeito para correr para bem longe dali até que percebi uma coisa, o pergaminho que estava em minha mão havia sumido... quando pensei em dizer para sairmos logo dali, ouvi um grito que vinha de não muito longe...

    - Terror Ácido!!! – Algo foi jogado sobre a criatura congelada, algo como um frasco que assim que se quebrou com a colisão, causou uma bela explosão

    Depois da explosão, o gelo havia sumido e o livro estava queimado no chão, negro e sem vida... nos aproximamos da pessoa que fez isso, era um homem trajando roupas de alquimista...

    - Vocês escaparam por pouco... – Nos aproximamos mais – Desculpem-me por chegar atrasado...
    - Atrasado? Você salvou a gente! – Respondi aliviado
    - É mesmo, muito obrigado!
    - De nada, agora vamos sair logo daqui...

    Já do lado de fora da torre, senti um grande alívio e uma sensação de estar a salvo. Mas ainda estava por ouvir um sermão do alquimista. Explicamos-nos para ele...

    - Pois bem, tomem mais cuidado da próxima vez, podiam ter pedido ajuda para algum adulto...
    - Senhor... – Disse Eu – O que era aquela coisa?
    - Era um Rideword, um livro mágico muito revoltado que não gosta de companhia...
    - Ei... – O garoto disse dirigindo-se ao alquimista – Você poderia pagar pra mim um teleporte para Geffen?
    - Como assim! Você gastou todo o dinheiro no pergaminho e ainda pede esmola! – Gritei querendo dar um sermão
    - Garoto, só farei isso para você para que saia de perto desta torre e vá se tornar um mago...
    - Como você sabe que eu quero ser um mago?
    - Eu só supus, você gastou todo o dinheiro em um Pergaminho de Rajada Congelante e quer ir para Geffen... o mundo é dos espertos, menino, lembre-se disso... – Dá o dinheiro para o garoto
    - Obrigado, moço! – Ele o agradece

    Depois daquilo saímos os dois dali em direção a Kafra onde pedimos um teleporte para Geffen e ela nos levou para a sala dos teleportes, no caminho fomos conversando...

    - Qual é o seu nome? – Perguntei
    - Philip Matthews, mas pode me chamar só de Philip, todos me chamam assim! E o seu qual é?
    - Sou Ryuu Dakeda! Prazer... – Apertamos as mãos – Vamos fazer o teste para magos juntos?
    - Claro! – Sorrimos, ali começou a nossa amizade que dura até hoje...

    A Kafra chegou perto de nós pediu para que ficássemos imóveis, de olhos fechados, e com aquela mesma luz e energia branca exalando do chão onde seus pés pisavam, levantou as mãos fazendo nossos corpos brilharem e ela disse:

    - Teleporte Para Geffen!!! – E a luz ficou intensa de mais naquele lugar, não conseguia mais enxergar, o clarão se transformou em escuridão e quando abri os olhos de novo, estava na Corporação Kafra de Geffen, havia chegado...

    Saímos os dois e pedimos informação, chegamos a uma hospedaria perto dali, já estava escurecendo, e decidimos que iríamos até a Guilda dos Magos ao amanhecer, paguei um quarto para dois onde passamos o resto da tarde e onde dormimos a noite, até que aquela pousada era baratinha, ele disse que um dia me pagaria, mas até hoje, nunca me pagou, mas eu também não cobro a ele...
    avatar
    -Rockstar-
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 933
    Reputação : 23
    Data de inscrição : 01/07/2010
    Idade : 24
    Localização : Sacro-Império de Arunafeltz.

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  -Rockstar- em Sab Mar 12, 2011 11:12 pm

    Ryuu desde quando escreves? está muito bom. Alguns errinhos de pontuação no inicio, e na terceira linha, deve ser mim se estou certo.

    O enredo é excelente e me cativou, mas a sede da Corp. Kafra fica ao noroeste não? Pois bem mesmo assim está muito bom. Sua interpretação do teleporte em on ficou muito legal.

    Aguardo mais, continue escrevendo.


    Abraços, Rockstar.


    _________________

    Servidor Thor. Role-playing game. Click na assinatura. Obrigado Eddie.
    Fanfics:

    A História de Rockstar A história de um espadachim sedento por vingança Aventura (completa)
    Clérigo Um universo onde o bem e o mal é tênue Suspense (em progresso)
    avatar
    • Ryuu
    Beholder
    Beholder

    Mensagens : 22
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 05/03/2011
    Idade : 23
    Localização : RJ

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  • Ryuu em Dom Mar 13, 2011 9:50 am

    Não sei bem ao certo, mas tenho quase certeza que escrevo desde os 4 anos! xD
    Vlw aí Rock e malz pelos errinhos aí, vou procurar evitá-los. Quanto as Kafras e ao resto, vão perceber que algumas coisas eu vou mudar um pouco para se adaptar a fic, eu queria que fosse perto da torre e como sou eu quem escrevo, querer é poder. Mas calma que não vou fazer aparecer um Bafomé gay com roupa íntima feminina desfilando em Juno com asas de anjo... (wtf?)
    avatar
    Fish-Teacher
    Hodremlin
    Hodremlin

    Mensagens : 142
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 08/02/2011
    Idade : 23

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  Fish-Teacher em Dom Mar 13, 2011 11:10 am

    Esta muito boa Ryu.Acho que o Rock ja disse tudo né?

    Aguardando mais capitulos.

    Abraços bem apertado de Fish-Teacher.
    avatar
    • Ryuu
    Beholder
    Beholder

    Mensagens : 22
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 05/03/2011
    Idade : 23
    Localização : RJ

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  • Ryuu em Qui Maio 05, 2011 7:47 pm

    Vlw Aí Fish! ^^
    Aí está o capítulo 2, está um pouco maior que o primeiro mas não é nada absurdo. Aproveitem e comentem! =D




    No dia seguinte acordamos quase na mesma hora, era bem cedo, estávamos os dois ansiosos para o teste que seria o começo de todas as nossas aventuras. Levantei primeiro, talvez porque não estivesse muito acostumado a dormir fora de casa, olhei em volta e lembrei de onde estava e do que iria fazer, pensei se deveria acordar meu novo amigo ou não e acabei decidindo por deixa-lo acordar por conta própria. Peguei a minha camisa que estava em cima da mesa do quarto e a vesti, depois procurei uma janela e olhei por ela para fora. A cidade de Geffen era realmente linda, tinha muito verde e flores mesmo para uma cidade grande e ela realmente inspirava magia, Havia me encantado com tudo aquilo quando de repente senti alguém me cutucando, era Philip, o garoto acabara de acordar...

    - Vai ficar aí olhando ou vamos lá? – Ele deu um sorriso que logo foi seguido de um bocejo
    - Nós vamos, sim... mas não vamos comer antes? – Perguntei com a mão sobre a barriga
    - Ah, sim! Café da manhã! Mas não tenho dinheiro...
    - Tenho umas maçãs na mochila...
    - Beleza!!! – O garoto correu, pegou sua camisa e a vestiu

    Na minha mochila não tinha muita coisa, mas uma coisa que meu pai garantiu que eu levasse, eram maçãs! Um alimento importante, barato e não ocupa muito espaço. Eu peguei duas, uma eu dei para Philip e nós comemos enquanto conversávamos sobre o quanto ansiosos estávamos para o teste de mago...

    A Saga de Ryuu
    Capítulo 2 – O Teste


    Antes de deixar a pousada, perguntamos para o dono dela onde ficava a guilda dos magos, ele nos informou que era na escola de magia que ficava a noroeste da cidade. Não era difícil se locomover naquele lugar, a cidade fora projetada com base em um círculo, isso facilitava muito encontrar os lugares, sabíamos que se seguíssemos ali na rua principal que formava esse círculo, chegaríamos uma hora à escola de magia. Uma coisa que não conseguia olhar desde que acordei era a Torre de Geffen, era uma grande torre no centro do círculo que a cidade formava, era o que mais me chamava atenção em toda a cidade, também não era para menos, era muito grande! Senti vontade de saber o que tinha lá dentro, mas me contive, tinha que me concentrar no meu objetivo atual... mas qual era mesmo? Ah sim! O teste para magos, tínhamos que chegar na...

    - A Escola de Magia! – Meus pensamentos foram interrompidos por Philip

    Era uma casa grande que devia possuir uns três andares, tinha um letreiro bem grande escrito: “Escola de Magia de Geffen”. Ali dentro estaria nos aguardando o teste para que pudéssemos nos tornar magos. Adentramos o local olhando bem em volta e achamos uma mulher em um balcão, resolvi tomar a iniciativa e ir falar com ela...

    - Com licença, onde é a Guilda dos Magos?
    - Suba aquelas escadas e procure pela Penny... – Disse a mulher enquanto apontava para a escada
    - Obrigado – Agradeci e logo me dirigi a escada

    Philip subiu atrás de mim, estava calado desde que entramos na escola, parecia que ele se incomodava com alguma coisa, ou que alguma coisa o estava deixando assustado, resolvi perguntar...

    - Aconteceu alguma coisa? Você tá muito calado!
    - É que eu estou preocupado com o teste! Eu nunca frequentei uma escola de magia nem estudei para algo assim...
    - Relaxa, você consegue... eu te ajudo!
    - Valeu!

    Quando subimos a longa escadaria resolvemos logo procurar pela Penny, mas acho que ela nos achou antes! Uma mulher vestindo uma roupa de maga com um sobretudo roxo por cima que se confundia com seu cabelo rosa se aproximou e disse:

    - Você são aprendizes, vieram para ser magos?
    - Sim... – Respondemos juntos
    - Então vamos logo por aqui, só temos mais duas vagas hoje... – Ela disse enquanto nos direcionava para uma sala de aula

    Era uma sala como outra qualquer, quando entramos, sentamos em duas cadeiras que estava sobrando lá atrás e esperamos Penny dizer algo...

    - Olá para todos! Sou Penny, a Maga instrutora da Guilda. Vocês vieram para realizar o teste de mago, suponho que todos sejam inteligentes o suficiente para terem escolhido esta classe, porque se desejam controlar as magias, vão precisar deste atributo em nível elevado... Lembrem-se sempre que mexer com magia não é brincar! É algo muito sério! – Ela deu uma pausa e olhou no relógio – Por Freya! Estamos atrasados! Muito bem, estas aqui são listas dos itens que vocês têm que me trazer para passar no teste... – Disse ela enquanto distribuía papéis para todos os aprendizes – Vocês têm até amanhã neste mesmo horário para me entregar os itens! Dispensados...

    Estranhei logo. Era aquilo o teste para ser mago? Não era uma classe que necessitava inteligência? Que inteligência aquele teste iria provar? Estava com dúvidas, mas precisava me mover para arranjar os itens logo, dei uma olhada na lista e me virei para falar com Philip...

    - Eu tenho que pegar 10 Jellopys, 10 Trevos, 10 Plumas e 1 Mistura de Payon...
    - Eu também! Vamos pegar juntos!
    - Claro... agora mesmo! – Me levantei

    Philip veio logo em seguida, saímos dali, todos os aprendizes demonstraram a mesma confusão então aproveitamos e saímos logo da escola. Mas agora vinha a dúvida: Onde achar estes itens? Decidimos que seria melhor talvez perguntar a alguém e então tive uma ideia: Mercadores! Alguém poderia estar vendendo aqueles itens, e mesmo que não tivéssemos dinheiro o suficiente para comprar, nós podíamos ao menos perguntar onde eles haviam conseguido aqueles itens. Lembramos então de alguns mercadores que estavam vendendo suas coisas no caminhos que trilhamos até a guilda. Regressamos por este caminho a procura dos mercadores e não demorou muito para achar, tinham vários, parece que enquanto estávamos lá dentro, outros mercadores vieram abrir suas lojas ali perto da guilda, como se fosse um local de bom comércio. Ouvimos uma hora um mercador gritar:

    - Teste de Mago Aqui! Complete seu teste de mago!!

    Procuramos pelo mercador que estava gritando isso e nos aproximamos. Era um cara um pouco mais alto que eu, tinha cabelo curto e vermelho, estava usando uma faixa na cabeça e um carrinho de madeira no chão cheio de itens. Nos aproximamos e perguntamos:

    - O que você tem para o teste de mago? – Perguntei
    - Do que você precisa? – Ele me perguntou enquanto abaixou para ficar à altura do carrinho
    - 20 Jellopys, 20 Trevos, 20 Plumas e 2 Misturas de Payon...
    - Tenho sim tudo isso!
    - E por quanto sai? – Philip perguntou curioso
    - Hum... tudo isso sai por... 50.000 Zenys!
    - O QUE? – Respondemos gritando quase juntos
    - Não tenho esse dinheiro todo... – Disse cabisbaixo – Você pode nos dizer onde conseguiu esses itens?
    - Hum... não!
    - Mas por que não? – Perguntei
    - Porque eu não quero!
    - Pera aí... – Philip meteu a mão no bolso e se aproximou do mercador, rapidamente ele tirou sua faca e segurou o mercador pela camisa ameaçando-o com a faca – Vai dizer agora!
    - Ah é? – O mercador puxa um machado – O que vou responder?
    - Ah... nada... – Philip solta ele e guarda a faca
    - Por favor!... – insisti
    - Tá bom! – Disse meio sem paciência – Os jellopys vocês pegam dos porings, os trevos vocês podem pegar dos lunáticos em suas tocas, eles juntam lá, mas vão ter que matar o casal da toca ou vocês podem colher em algum lugar. As plumas são parte dos pelos dos lunáticos. A mistura vocês conseguem em Payon, em uma fonte na vila dos arqueiros... Esses monstros que eu disse vocês podem encontrar na ponte oeste da cidade! Voltem sempre...
    - Obrigado! – Agradecemos juntos

    Nos dirigimos para a ponte oeste da cidade. Geffen além de ser um círculo era cercada por um rio e para sair da cidade, precisava atravessar uma das quatro pontes, note, sul, leste e oeste. Depois de chegarmos a ponte, pudemos perceber já alguns monstros que viviam por ali, um dos mais encontrados eram os Porigns. Eram como bolinhas rosas que roubavam os itens que encontrasse pelo caminho, são abusados, porém fracos, conseguimos matar todos sem problemas e obtivemos todos os jellopys que precisávamos. Depois corremos para alguns canteiros perto da ponte, logo no início onde colhemos os trevos que precisávamos. Nós estávamos ficando cheios de itens então resolvemos deixar escondidos esses itens dentro de uma moita que achamos ali, a marcamos para depois não esquecermos de onde havíamos deixado os itens e fomos em busca das plumas dos lunáticos. Não foi muito difícil também, com certeza foi mais difícil que lutar contra os porings, os lunáticos eram mais rápidos, mas conseguimos enfim arrancar todas as plumas de que precisávamos. Então estava na hora de voltar para a cidade, mas antes teríamos que passar naquela moita que guardava nossos itens para pegá-los de volta... estávamos ficando cansados e fomos conversando...

    - Foi uma tarde e tanto! – Disse Philip – Mas até que foi divertido!
    - Até que foi uma boa ideia sua deixar os itens naquela moita, ficou bem mais fácil de correr atrás dos lunáticos!
    - É eu não disse!
    - É...
    - Viu, você tem que confiar mais em mim! Agora que estamos viajando juntos...

    Conversando e conversando chegamos ao local já rindo de tanto correr atrás de monstro, mas o riso rapidamente saiu de nossas faces quando abrimos a moita e reparamos que não estavam ali nenhum dos itens que deixamos. Entramos em desespero...

    - Cadê? Colocamos eles aqui!! – Gritou Philip enquanto revirava a moita
    - Não acredito! Já está ficando tarde e estávamos quase acabando! Agora não vamos conseguir cumprir o teste em tempo!!!
    - Não é possível...
    - É, estou vendo que tenho que confiar mais em você... – Falei em tom irônico
    - Não, mas, não, mas... ahh! – [n]Ele estava confuso, mas quando olhou para seu lado, lá longe havia um poring então ele se lembrou:[/b] – Ei! Os porings roubam itens! E se aquele lá pegou? – Disse ele enquanto apontava para o poring distante
    - Talvez... quem sabe, vamos lá?
    - Agora mesmo!...

    Saímos correndo disparados na direção daquele poring, já pegando nossas facas e nos preparando para mata-lo com apenas um golpe de cada um, talvez até competíssemos para ver quem daria o primeiro golpe, mas o estranho é que aquele poring ficava maior cada vez que nos aproximávamos...

    - O que é isso? Um poring super-desenvolvido?! – Perguntei assustado

    Aquilo me ouviu gritar e virou-se para nós, quando ele assim fez, vimos que dentro dele estavam todos os nossos itens, estava confirmado, foi ele quem roubou-os da nossa moita. Ele não gostou muito da nossa presença e começou a pular na nossa direção, mas ele era do nosso tamanho e muito pesado, quando ele pulava, dava para sentir o chão vibrando nos nossos pés, a nossa reação foi correr. Depois resolvemos que tínhamos que fazer alguma coisa...

    - Se ao menos não enfrentarmos ele, não vamos conseguir virar magos essa semana... – Eu disse
    - É mesmo, pronto?
    - Pronto!!

    Nos viramos e ele continuava vindo em nossa direção, estava perto, desviamos dele e demos duas punhaladas nas costas dele com nossas facas. Ele se virou e deu uma grande investida que pegou em nós dois ao mesmo tempo, nos empurrou para trás e caímos no chão. Ele pulou ameaçando cair em cima de nós, rolamos para o lado rapidamente, mas ele também foi rápido e foi pulando atrás de Philip, eu tinha que fazer alguma coisa, resolvi atacar, dei várias facadas nas costas dele conforme ele pulava na direção de Philip, na hora que ele se virou para mim, Philip também foi esperto e deu mais duas facadas nele. Aquela era uma boa hora para ter um outro pergaminho daquele de rajada congelante...

    - Tá difícil! – Eu disse – Estou cansado!
    - Eu também... – Demos outra facada nele cada um

    Depois de mais algumas facadas, ele finalmente cai no chão fora de combate, ele havia estourado, se quebrado e os nossos itens se espalharam pelo chão, pegamos todos rapidamente mas achamos um item incomum, era uma carta, havia um desenho de um poring lá. Guardei e resolvemos voltar para Geffen. Já era noite quando chegamos na cidade, mas até que ela era bem iluminada mesmo durante a noite. Sabíamos que ainda faltava um item para cada um, então voltamos para a loja daquele mesmo mercador torcendo para que ele ainda estivesse lá. Quando chegamos veio o alívio, ele já estava começando a arrumar suas coisas para deixar o local e fechar a loja...

    - Ei, moço! Conseguimos todos os itens menos aquelas misturas! – Falei
    - É? Que bom!
    - Onde consegue mesmo?
    - Em Payon!
    - Não vamos conseguir em tempo! É longe... – Disse Philip
    - Sinto muito... – Disse o mercador
    - Não temos dinheiro para comprar do senhor!
    - Não posso fazer nada... – Ele retrucou
    - E se trocássemos por algo? – Disse-me lembrando de uma coisa
    - Pelo que? – Perguntou o mercador interessado

    Peguei do meu bolso a carta que tinha achado e mostrei-a

    - Aceito! – Disse o mercador sem pestanejar. Rapidamente nos deu as duas misturas em troca da carta – Obrigado e voltem sempre!
    - ... Obrigado... – Disse meio sem reação, foi tudo muito rápido, pareceu até que ele queria se livrar da gente, mas estava com muito sono para pensar...
    - Vamos? – Perguntou Philip
    - Claro...

    Voltamos para a pousada e fomos direto para a cama. Dormimos e acordamos no dia seguinte ansiosos para o resultado do teste. Depois de comer uma maçã e pagar mais uma noite ao dono da pousada, seguimos para a guilda dos magos. Lá falamos com Penny, entregamos para ela todos os itens e ela analisou os dois e fez algumas perguntas pessoais como nome e coisas do gênero para fazer um registro nosso, e fomos oficialmente promovidos à magos! Depois disso o resto do dia, ela nos ensinou algumas magias básicas de magos e nos deu um livro para estudar, disse que era muito importante para um mago sempre aprender mais e mais, e foi assim que praticamente toda minha vida foi, cada dia aprendendo mais...
    avatar
    mjunkhead
    Gremlin
    Gremlin

    Membro
    Mensagens : 89
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 12/03/2011
    Idade : 24

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  mjunkhead em Qui Maio 05, 2011 8:37 pm

    Nossa talento legal Ryu pra Fic :B.
    avatar
    Fish-Teacher
    Hodremlin
    Hodremlin

    Mensagens : 142
    Reputação : 0
    Data de inscrição : 08/02/2011
    Idade : 23

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  Fish-Teacher em Sex Maio 06, 2011 8:13 am

    Ta muito boa a Fic Ryuu,muito boa mesmo,aguardo mais capítulos.

    Abraços,Fish-Teacher
    avatar
    -Rockstar-
    Administrador
    Administrador

    Mensagens : 933
    Reputação : 23
    Data de inscrição : 01/07/2010
    Idade : 24
    Localização : Sacro-Império de Arunafeltz.

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  -Rockstar- em Dom Maio 08, 2011 12:55 pm

    Ótimo capítulo, continue! Está ficando muito legal

    Abraços, Rockstar.


    _________________

    Servidor Thor. Role-playing game. Click na assinatura. Obrigado Eddie.
    Fanfics:

    A História de Rockstar A história de um espadachim sedento por vingança Aventura (completa)
    Clérigo Um universo onde o bem e o mal é tênue Suspense (em progresso)

    Conteúdo patrocinado

    Re: A Saga de Ryuu

    Mensagem  Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Seg Maio 21, 2018 4:39 pm